Nesta-terça-feira (18), acionistas da Tesla Inc aumentaram a pressão para que o juiz responsável conclua o processo que acusa Elon Musk de ter agido com conflito de interesses, coagindo o conselho da empresa e influenciado na compra da empresa de painéis solares SolarCity. A aquisição não foi bem-sucedida, houve perdas financeiras e muitos alegam que Musk agiu em defesa dos antigos donos, seus primos. Em um dos maiores julgamentos da história dos Estados Unidos, agora os acionistas querem uma indenização de US$ 13 bilhões e vão esgotar todas as possibilidades nessa batalha que já se arrasta desde 2016. 

Processo de longa data 

Em 2016, o então detentor de 22% da Tesla, Elon Musk, informou aos seus acionistas que tinha fechado um negócio promissor: a compra da SolarCity por US$ 2,2 bilhões. Na época, a empresa era o maior instalador de painéis solares nos Estados Unidos. 

publicidade

O otimismo inicial logo deu espaço para posicionamentos contrários por parte dos integrantes do conselho da empresa, alegando que Musk agiu por interesses próprios, que era muito controlador, sempre com um estilo dominador. São argumentos que fazem parte das acusações que estão agora sob análise do júri. 

“Este caso sempre foi sobre se a aquisição da SolarCity foi um resgate de problemas financeiros, um resgate, orquestrado por Elon Musk”, disse Randy Baron, advogado dos acionistas. 

Essa fala foi justamente no último julgamento, em julho de 2021, quando os argumentos da acusação e defesa ocuparam dez dias de debate, incluindo dois somente para o depoimento de Elon Musk. 

Além dos gestores de ativos, a ação judicial também reúne os fundos de pensão da União. Segundo os acionistas, Musk armou fortemente o conselho da Tesla para que a aquisição da SolarCity fosse consolidada, tendo o empresário como principal acionista. 

Leia mais:

Musk se defende e diz que indenização seria ‘golpe de sorte’ dos acionistas

O pagamento dos US$ 13 bilhões, valor baseado nas ações da Tesla que Musk recebeu nos últimos anos, é visto pelo empresário como uma atitude exploratória e até mesmo gananciosa por parte dos acionistas no que ele revela ser uma espécie de “golpe de sorte” para os queixosos. 

elon musk
Nos tribunais, Elon Musk já se defendeu em dois dias de depoimentos. Ele nega as acusações e afirma que os acionistas estão tentando aplicar um “golpe da sorte” ao reivindicarem o maior prêmio da história da Justiça norte-americana em um processo envolvendo acionistas. Imagem: Shutterstock

Segundo Musk, documentos judiciais já comprovaram que essa indenização ou prêmio seria pelo menos cinco vezes maior que todos os processos que já passaram pela Corte norte-americana em sua história. Isso envolvendo acionistas. 

Plano mestre de décadas

De acordo com o CEO da Tesla, o acordo de compra da SolarCity fazia parte de um plano mestre de décadas com foco na criação de uma empresa verticalmente integrada, objetivando uma transformação na geração e consumo de energia, reunindo os painéis de teto solar da SolarCity, carros e baterias da Tesla. 

Os advogados de defesa rebatem as acusações e alegam que a SolarCity estava em uma situação econômica favorável na época da compra e que as finanças eram comparadas a de empresas consolidadas no cenário de tecnologia de alto crescimento. 

Por outro lado, os advogados de acusação defendem que Musk se aproveitou do aumento previsível das ações da Tesla para comprar antecipadamente, garantindo sua presença nos papéis em maior escala. 

“Seria um ganho para Elon Musk se ele tivesse que manter as ações que ele nunca deveria ter conseguido em primeiro lugar”, afirmou Lee Rudy, um dos advogados de defesa.

Via: Reuters

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!