Fósseis de mamutes, rinocerontes, lobos e outras espécies foram descobertos em uma caverna de Devon, um condado que fica no sudoeste da Inglaterra, por uma pesquisadora da Universidade de Londres e uma equipe de arqueólogos.

Escavações em Sherford, uma nova comunidade em desenvolvimento desde 2015, descobriram os fósseis de aproximadamente 30 a 60 mil anos de idade, pertencentes a mamutes e rinocerontes lanosos, hienas, cavalos, renas, uma lebre da montanha e uma raposa vermelha, dando uma visão incrivelmente rara da Grã-Bretanha durante a última era glacial.

publicidade
Fósseis de uma mandíbula e dentes de um rinoceronte lanoso, logo após ser escavado. Crédito: Danielle Schreve

Sherford tem apenas 5,5 mil residências em seus quase sete anos de desenvolvimento. O Consórcio Sherford incentivou o trabalho arqueológico já no início da construção do distrito, em 2015, e manteve-se comprometido em financiar um programa contínuo de investigação arqueológica desde então. E foram exatamente as escavações realizadas durante o trabalho de infraestrutura da comunidade que levaram à descoberta dos referidos fósseis.

“Encontrar um sistema de cavernas até então desconhecido é uma descoberta realmente especial. Os ossos e dentes fósseis não só nos permitem reconstruir como eram as condições no passado — uma pradaria fria e aberta patrulhada por enormes rebanhos de animais pastando e através dos quais os neandertais e, em seguida, os humanos modernos caçaram — mas o conhecimento de como as espécies responderam às rápidas mudanças climáticas mudando seu alcance, evoluindo ou se extinguindo, pode nos ajudar a tomar melhores decisões de conservação hoje”, disse a professora Danielle Schreve, chefe do Departamento de Geografia e membro do Centro de Pesquisa Quaternária da Royal Holloway, da Universidade de Londres.

Leia mais:

Fósseis são de animais que podem ter caído acidentalmente em um mesmo buraco

Nos últimos meses, um grupo de arqueólogos fez uma análise detalhada dos achados. O trabalho foi liderado por uma equipe especializada, incluindo acadêmicos da Universidade de Winchester e da Universidade de Manchester, Orion Heritage e Arqueologia AC baseada em Exeter, apoiada pelo Conselho do Condado de Devon e pelo Conselho Histórico Científico do Sudoeste da Inglaterra.

Ainda está sob investigação se todos os fósseis descobertos são de um período de tempo semelhante ou existiram em diferentes pontos durante um período de tempo mais longo. Os restos da megafauna — grandes animais de um período geológico que estão extintos — sugerem que eles provavelmente encontraram uma morte acidental, caindo por uma fenda na superfície do solo, sendo incapazes de escapar.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!