Meteoritos são fragmentos de asteroides ou cometas que atingem a superfície da Terra intactos. Eles são as sobras da formação do sistema solar e as moléculas que carregam fornecem pistas sobre a história desse sistema. Essas pistas agora ficaram um pouco mais fáceis de serem analisadas, graças a um trabalho da IBM Research em colaboração com uma equipe multinacional de pesquisadores, publicado no periódico Meteoritics and Planetary Science.

A maioria dos meteoritos primitivos permaneceu praticamente inalterada desde sua formação há bilhões de anos. Eles são como máquinas do tempo que nos dão acesso ao passado remoto do surgimento dos planetas que orbitam o Sol. Parte da carga que os meteoritos carregam com eles é matéria orgânica (moléculas compostas por carbono, não necessariamente ligadas a organismos vivos), e essa matéria pode ter chegado à Terra primitiva desempenhando um papel importante nas origens da vida.

Pesquisadores da IBM Research publicaram um estudo sobre matéria orgânica em meteoritos usando, pela primeira vez, microscopia de força atômica (AFM, na sigla em inglês) de ultra-alta resolução. A equipe examinou amostras do famoso meteorito Murchison, que caiu na pequena cidade australiana de mesmo nome, em setembro de 1969, e aproveitou as habilidades únicas do AFM para visualizar e identificar moléculas individuais.

Suas descobertas — obtidas por um grupo multinacional de pesquisadores, incluindo a equipe da IBM em Zurique, Suíça — fornecem uma prova de conceito mostrando que o AFM pode resolver e identificar moléculas individuais de origem meteorítica.

publicidade

A capacidade do AFM de identificar uma molécula individual significa que ele pode detectar vestígios de substâncias que seriam perdidas por outras técnicas. Isso se torna mais importante quando a amostra é escassa, como no caso de meteoritos, e ainda mais para materiais que retornam com missões espaciais.

Leia mais:

Por trás das primeiras imagens de moléculas extraterrestres

Há cerca de 12 anos, a equipe da IBM avançou no uso de AFM para visualizar moléculas individuais com resolução atômica. Ao estudar amostras relacionadas a petróleo bruto e fuligem, que contêm uma grande diversidade de moléculas, eles começaram a tirar proveito da sensibilidade do AFM a uma única molécula.

Uma de suas esperanças era identificar moléculas individuais de origem extraterrestre, então eles começaram a procurar amostras possíveis para investigação, bem como colaboradores com experiência em meteoritos para ajudá-los a obter as amostras corretas, interpretar seus resultados e compará-los com o que se sabe sobre as moléculas em meteoritos por meio de outras técnicas. Isso os levou a Scott Sandford e Aaron Burton da NASA, Henderson Cleaves do Tokyo Institute of Technology e Gregoire Danger da Aix-Marseille Université.

Em seus primeiros experimentos, eles tentaram estudar moléculas sublimadas diretamente de pó de meteorito não processado. Isso foi desafiador porque os meteoritos contêm uma quantidade relativamente pequena de material orgânico que pode ser detectado pela AFM. No entanto, eles conseguiram fazer isso com algumas moléculas, dando-lhes confiança de que poderiam obter imagens de compostos orgânicos extraterrestres com a técnica.

Moléculas do meteorito Murchison visualizadas usando microscopia de força atômica
Imagem: IBM Research

Seus colaboradores de longa data, Diego Peña e Iago Pozo, da Universidade de Santiago de Compostela, desenvolveram um método para extrair os tipos de moléculas dos quais eles acreditavam que poderiam obter boas imagens no AFM. As extrações foram desenvolvidas para atingir compostos aromáticos planos, bem como algumas moléculas de hidrocarbonetos de cadeia linear. Por esse processo de extração otimizado, eles detectaram muitas outras moléculas, que estavam de acordo com as estruturas moleculares determinadas por outras técnicas.

Eles também compararam os resultados obtidos do AFM com dados de espectrometria de massa de última geração, para os quais Julien Maillard da Normandie University e Carlos Afonso da Aix-Marseille Université se juntaram ao projeto. Seus resultados indicaram que as moléculas identificadas com a AFM são representativas para o meteorito e a fração extraída.

A próxima fronteira da AFM

O estudo de moléculas orgânicas no meteorito Murchison mostra as capacidades de alta resolução da AFM. Até agora, eles não resolveram novas moléculas em meteoritos usando AFM. No entanto, devido à sua sensibilidade no nível de molécula individual, a AFM poderá ser usado em um futuro próximo para revelar moléculas muito raras que ainda não foram encontradas em amostras de meteoritos. Há também moléculas que só podem ser resolvidas com o auxílio da AFM quando as técnicas convencionais sozinhas são insuficientes.

Após esta prova de conceito, a equipe espera obter amostras maiores de diferentes meteoritos para entender os efeitos do aumento da água e do aquecimento em seus asteroides e, potencialmente, amostras retornando de missões para outros objetos em nosso sistema solar — incluindo asteroides e outras superfícies planetárias — para resolver moléculas individuais e avançar nossa compreensão dos compostos que elas carregam. Isso poderia ajudar a pintar uma imagem mais clara da origem do nosso sistema solar e da vida na Terra.

Via: IBM Research