Em meio ao avanço da variante ômicron da Covid-19 ao redor do mundo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem prognósticos positivos para o futuro da pandemia, principalmente na Europa. Segundo o órgão, o continente deve entrar em um “longo período de tranquilidade” em breve.

De acordo com a OMS, estes prognósticos positivos para a pandemia se dão por conta dos altos índices de vacinação, somados à natureza mais branda da variante ômicron e o fim do inverno no Hemisfério Norte. Segundo a OMS, a proteção deve ser vista como um cessar-fogo que pode trazer uma “paz duradoura”.

publicidade

Longo período de tranquilidade

“Este contexto, que até agora não vivemos nesta pandemia, deixa-nos a possibilidade de um longo período de tranquilidade”, disse o diretor da OMS na Europa, Hans Kluge, durante uma coletiva de imprensa. Para o diretor, o continente está pronto, inclusive, para frear variantes mais virulentas que possam surgir.

“Acredito que é possível responder a novas variantes que inevitavelmente surgirão, sem restaurar o tipo de medidas disruptivas de que precisávamos antes”, declarou o diretor. Contudo, Kluge ponderou que esses prognósticos positivos dependem da manutenção do sucesso de campanhas de vacinação.

publicidade

Otimismo cauteloso

Homem sendo vacinado
Cenário positivo depende do sucesso das campanhas de vacinação na Europa. Imagem: PanyaStudio/Shutterstock

O diretor pediu às autoridades de saúde que protejam os grupos de maior risco, como idosos e imunocomprometidos, além de promover o que chamou de responsabilidade individual. A mensagem positiva da OMS chega em um momento especialmente preocupante da pandemia na Europa.

Leia mais:

publicidade

Na última semana, foram registrados em torno de 12 milhões de novos casos de Covid-19 na região europeia da OMS, que tem 53 países, incluindo alguns localizados na Ásia Central. Segundo a própria organização, esse é o nível mais alto desde o início da pandemia, em março de 2020.

Porém, mesmo assim, alguns países têm suspendido parte das medidas de restrição contra a disseminação da doença. A principal alegação para isso é uma suposta menor agressividade da ômicron, que fez com que a cepa não sobrecarregasse os sistemas de saúde de países como França, Suécia e Reino Unido.

publicidade

Via: O Globo

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!