O bilionário sul-africano Elon Musk acusou nesta quinta-feira (17), junto com sua montadora de carros elétricos Tesla, a Comissão de Valores Mobiliários (SEC, na sigla em inglês) de assediá-lo com uma investigação “implacável” e “interminável”. O empresário afirma que isso é uma punição por ele ser um crítico do governo do país.

Em carta escrita por Alex Sipro, advogado de Elon Musk e da Tesla, e direcionada à juíza distrital Alison Nathan, há um pedido de “correção de curso”. A magistrada de Manhattan presidiu um acordo da SEC a respeito de um tuíte do bilionário sobre uma possível compra da montadora, em 2018. O órgão não comentou a carta, mas tem até a próxima quinta-feira (24) para responder.

Leia mais:

Naquela ocasião, há cerca de quatro anos, o órgão norte-americano mandou que o empresário submetesse suas publicações sobre a Tesla a uma maior supervisão. Isso porque ele publicou sobre um possível fechamento da empresa de carros elétricos. Para a SEC, ele enganou os investidores.

publicidade

De lá para cá, a comissão repete que Musk precisa de pré-aprovação de funcionários da Tesla para realizar as postagens sobre a empresa. Em novembro do ano passado, os reguladores chegaram a intimar a companhia, solicitando informações sobre processos de governança relacionados a este pedido.

Neste momento, o bilionário, que é um assíduo usuário do Twitter, perguntou aos mais 70 milhões de seguidores se deveria vender 10% de suas ações da Tesla. Assim, os papéis caíram de preço. Constantemente, os posts dele no microblog movimentam os mercador.

Fachada da fábrica da Tesla em Fremont, Califórnia, nos Estados Unidos
Fachada da fábrica da Tesla em Fremont, Califórnia, nos Estados Unidos. Imagem: Sundry Photography / Shutterstock

Agora, Elon Musk afirma que a Comissão de Valores Imobiliários se envolveu em “esforços enormes” em um processo judicial para monitorar sua empresa. Ele ainda afirma que a SEC parece calcular “para esfriar seu exercício” de liberdade de expressão.

“A SEC parece ter como alvo Musk e Tesla por uma investigação implacável em grande parte porque Musk continua sendo um crítico aberto do governo. Os esforços desproporcionais da SEC parecem calculados para esfriar seu exercício dos direitos da Primeira Emenda, em vez de fazer cumprir as leis geralmente aplicáveis ​​de maneira imparcial”, escreveu o advogado na carta.

Além desse posicionamento do CEO, a Tesla enfrenta ainda processos discriminação racial sistemática e assédio na fábrica de Freemont. O Departamento de Trabalho Justo e Habitação (DFEH, na sigla em inglês) da Califórnia conduz a ação.

Via: Reuters / BBC

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!