Uma nova espécie de orquídea descoberta no Equador foi descrita por orquidólogos poloneses, com a ajuda de uma empresa equatoriana especializada na pesquisa, cultivo e fornecimento de plantas. Infelizmente, ela já é considerada “criticamente ameaçada” devido à destruição do seu hábitat pela atividade humana e por efeitos das mudanças climáticas.

A história é curiosa: os primeiros exemplares da Maxillaria anacatalina-portillae, como a espécie foi batizada, foram encontrados por Alex Portilla, fotógrafo e gerente de vendas da Ecuagenera, em 2003. A orquídea foi fotografada em seu hábitat natural na província de Carchi, no norte do Equador e levada às estufas da empresa para cultivo. Mais tarde, foi oferecida comercialmente com o nome de outra espécie do mesmo gênero, a Maxillaria Sanderiana Xanthina.

publicidade
Detalhes da nova orquídea, que já é considerada “criticamente ameaçada”
Imagem: Hugo Medina (CC-BY)

Ao mesmo tempo, os cientistas poloneses Prof. Dariusz L. Szlachetko e a Dra. Monika M. Lipińska estavam trabalhando na classificação e delimitação das espécies no gênero neotropical Maxillaria, um dos maiores entre as orquídeas.

Para isso, eles investigaram amostras nas coleções de herbários em toda a Europa e nas Américas, e realizaram várias expedições na América do Sul em busca das plantas.  E foi numa dessas expedições que eles encontraram exemplares da nova espécie na natureza, e ficaram intrigados com suas flores de coloração única.

Leia mais:

Suspeitando que se tratava de uma nova espécie, eles juntaram esforços com a Dra. Natalia Olędrzyńska e o Dr. Aidar A. Sumbembayev para conduzir análise morfológica e filogenética usando amostras de cultivadores comerciais e entusiastas, bem como plantas compradas da Ecuagenera, cultivadas em estufas na Universidade de Gdánsk, na Polônia.

Após confirmação de que se tratava de uma nova espécie, a orquídea foi rebatizada. O “anacatalina-portillae” no nome é uma homenagem à filha de seu descobridor, chamada Ana Catalina Portilla Schröder. A descrição da espécie foi publicada no periódico científico PhytoKeys.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!