Uma nova pesquisa demonstrou que a variante ômicron do vírus da Covid-19, tida por muitos como uma variação mais leve, pode ser até 40 vezes mais mortal do que a gripe. De acordo com os pesquisadores, este dado demonstra que pode ser bastante prematuro afrouxar medidas de combate ao vírus.

Dados do Japão, onde a pesquisa foi realizada, apontaram que a taxa de mortalidade das infecções pela variante ômicron ficou na casa dos 0,13% desde janeiro deste ano. Enquanto isso, no mesmo período, a letalidade da gripe sazonal ficou entre 0,006% e 0,09%.

publicidade

Um momento delicado da pandemia

Autoteste
Mundo vive um momento bastante delicado da pandemia. Imagem: Clara Murcia/Shutterstock

Este é um momento bastante delicado da pandemia, em virtude da queda na mortalidade por conta da Covid-19, diversos países estão afrouxando as medidas de combate ao vírus, principalmente as não farmacológicas, como a obrigatoriedade do uso de máscaras, e a limitação de público em eventos esportivos e shows, por exemplo.

No Brasil, por exemplo, o estado de Santa Catarina acabou com a obrigatoriedade do uso de máscaras nas escolas para alunos com idades entre 6 e 12 anos. Além disso, o uso também foi flexibilizado para maiores de 12 anos dentro do espectro autista.

Leia mais:

A medida recebeu uma série de críticas, mesmo chegando em um momento em que o número de novas infecções e de óbitos em razão da Covid-19 dá claros sinais de queda. Porém, é importante relembrar que janeiro foi o mês com maior mortalidade desde agosto de 2021, muito por conta da ômicron.

Queda multifatorial

Segundo os cientistas do Japão, o declínio da mortalidade da ômicron, que é algo observado em diversos países, pode ocorrer por diferentes fatores. Os motivos possíveis vão desde uma virulência menor da cepa, quando comparada com outras, como a delta, até a proteção ofertada pelas vacinas.

Porém, os cientistas ressaltam que é importante manter as medidas não farmacológicas até que os níveis de vacinação sejam de 100% ou muito perto disso. Porém, segundo eles, ainda são necessários mais estudos para determinar o real impacto de flexibilizações na curva de casos.

Via: Fortune

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!