Um foguete Electron, da Rocket Lab, vai lançar à Lua a missão Cislunar Autonomous Positioning System Operations and Navigation Experiment (CAPSTONE), da NASA, a partir da Península de Mahia, na Nova Zelândia

Inicialmente programada para decolar entre os dias 3 e 15 de maio, a missão foi primeiro reagendada para o dia 31, depois para segunda-feira (6) e, agora, teve o lançamento adiado em mais uma semana, ficando para o próximo dia 13.

publicidade
Animação simula a órbita do CubeSat CAPSTONE, da NASA. Créditos: Ilustração da NASA/Daniel Rutter

De acordo com uma postagem feita pela Rocket Lab no Twitter, o tempo extra é necessário “para manutenção do lançamento e verificações de prontidão de Fótons”.

Segundo um comunicado emitido pela agência espacial norte-americana, a data está sendo avaliada continuamente, com oportunidades de lançamento até o dia 22 de junho.

Conforme noticiado pelo Olhar Digital, ainda que não seja diretamente ligada ao Programa Artemis, da NASA, a missão acabará ajudando a agência nos processos que precedem o momento de levar seres humanos de volta à Lua, o que deve acontecer entre 2025 e 2026.

Com as dimensões próximas às de um forno micro-ondas, a espaçonave CAPSTONE tem por objetivo verificar a estabilidade de uma órbita circular quase retilínea (NRHO) ao redor da Lua, modelando o que a futura pequena estação espacial Gateway precisará seguir com os astronautas a bordo.

Leia mais:

A órbita planejada posicionará a CAPSTONE dentro de 1,6 mil quilômetros de um local estratégico da Lua em seu ponto mais próximo, fornecendo acesso ao polo sul. Esse é o principal alvo das missões tripuladas Artemis, dada a provável presença de gelo de água em crateras polares permanentemente sombreadas.

Em sua altitude mais elevada, o CubeSat CAPSTONE oscilará 43 vezes mais alto para 70 mil km. A vantagem de tal órbita – que ainda não foi testada por outras naves espaciais – é que futuras naves espaciais que entram e saem da superfície lunar no polo sul não precisarão voar tão alto para se encontrar com a Gateway.

Como a Lua tem concentrações de massa que podem causar perturbações em suas órbitas, o CAPSTONE acabará funcionando como um teste mais barato, antes do envio da estação Gateway, bem mais cara.

O objetivo secundário da missão é avaliar sistemas de navegação e comunicações de naves espaciais com o Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) da NASA, que circula a Lua desde 2009. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!