Em meados de 1946, os Estados Unidos realizaram dois testes de armas nucleares em atol remoto do Pacífico, durante os quais vários animais foram deliberadamente expostos às explosões para avaliar os efeitos da radiação.

Enquanto muitas dessas criaturas foram mortas imediatamente pelas explosões, algumas sobreviveram – pelo menos inicialmente – e a misteriosa história de um porco em particular despertou fascínio desde então. Este porco, conhecido como 311, supostamente sobreviveu ao primeiro dos dois testes de bomba atômica e foi levado de volta aos EUA, onde viveu por mais quatro anos.

Leia mais:

Os testes nucleares foram realizados como parte de um programa militar apelidado de Operação Crossroads, menos de um ano depois que os EUA lançaram duas bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, em 6 e 9 de agosto de 1945.

publicidade

Os dois testes – conhecidos como “Able” e “Baker” – aconteceram em 1º e 25 de julho, respectivamente, no Atol de Biquíni, um recife de coral em forma de anel no Pacífico central, que faz parte das Ilhas Marshall.

O objetivo dos testes era investigar os efeitos de explosões nucleares em navios da Marinha, e mais de 90 navios foram usados como alvos, incluindo navios de guerra e submarinos obsoletos dos EUA, bem como navios alemães e japoneses rendidos. A segunda bomba, Baker, foi detonada 27,4 m debaixo d’água.

Em 22 dos navios-alvo, os militares dos EUA também colocaram milhares de animais – principalmente ratos, mas também porcos, cobaias, cabras e camundongos – para estudar como as explosões de bombas os afetariam.

“Alguns animais foram usados não apenas para estudar os efeitos da radiação em um indivíduo, mas também as consequências a longo prazo para a saúde das gerações posteriores”, disse à Newsweek Jennifer Knox, analista de políticas e pesquisa do Programa de Segurança Global da União de Cientistas Preocupados.

“Por essas razões, os animais foram colocados a diferentes distâncias da explosão nuclear ou protegidos com diferentes tipos de materiais, alterando a dose de radiação que receberam e sua exposição imediata aos efeitos da explosão.”

Teste Baker, em 1945, no Atol de Biquíni (Imagem: Everett Collection)

Como as bombas nucleares afetam os animais

De acordo com relatório oficial de 1947, esses animais foram posteriormente removidos e levados para um navio de apoio conhecido como U.S.S. Burleson para exames e cuidados médicos logo após a detonação do Test Able – no qual a maioria das criaturas foi usada.

Alguns animais – cerca de 10% – morreram com a explosão inicial. Muitos outros morreram nos dias e semanas seguintes devido aos efeitos do envenenamento por radiação. Alguns voltaram aos Estados Unidos, onde os cientistas continuaram a estudá-los.

Mas uma história particularmente notável emergiu dos testes – a do Porco 311. De acordo com relatos da mídia da década de 1940, esse animal havia sido trancado em um banheiro de oficiais a bordo do cruzador japonês Sakawa durante o teste Able.

A explosão fez com que Sakawa, que estava localizado a cerca de 420 metros do ponto de detonação, queimasse ferozmente por 24 horas antes de afundar em 2 de julho.

De alguma forma, o porco 311 sobreviveu à explosão e ao naufrágio de seu navio e foi encontrado nadando na lagoa do Atol de Biquíni um dia depois, segundo relatos. A revista Life relatou em um artigo de 1947 que o leitão era o único animal sobrevivente de Sakawa.

Quando o animal foi encontrado, mostrava sinais de doença de radiação – um artigo da revista Time de 1949 relatou que o porco 311 estava “irritável e tinha baixa contagem de sangue”, mas dentro de um mês, ela parecia ter se recuperado.

Depois, o animal foi levado de volta ao Instituto de Pesquisa Médica Naval em Bethesda, Maryland, para ser estudado. Um ano após o teste, ela cresceu de um leitão para uma porca.

Os pesquisadores fizeram exames de sangue periódicos do animal para avaliar os danos que ela sofreu com a radiação, mas a porca parecia estar em condições relativamente boas, além do fato de ser estéril.

Os cientistas fizeram várias tentativas de criá-la, porém, sem sucesso, embora não esteja claro se isso foi devido aos efeitos da bomba.

Em abril de 1949, o porco 311 foi entregue ao Parque Zoológico Nacional Smithsonian, em Washington, D.C., onde se tornou a favorita dos visitantes do local.

O jornalista vencedor do Prêmio Pulitzer, Walter Pincus, escreveu sobre o porco 311 em seu livro de 2021 “Blown to Hell: America’s Deadly Betrayal of the Marshall Islanders”.

Depois de três anos desde a Operação Crossroads, a grande maioria dos milhares de animais usados no teste morreu, segundo Pincus. O porco 311 seguiria logo, falecendo em 8 de julho de 1950 – pouco mais de quatro anos depois de ter sido exposto à bomba. A causa da morte do porco não foi divulgada.

Porcos domesticados cocaína
Foto: Makic Slobodan/Shutterstock

O porco 311 esteve em Sakawa?

Permanece alguma incerteza sobre as circunstâncias da sobrevivência aparentemente heroica do porco da explosão atômica. Não está claro exatamente como o porco 311 conseguiu sair vivo do navio, e pelo menos um artigo de notícias local de 1946 relatou que a criatura não estava em Sakawa no momento do teste. Uma investigação descobriu que o porco simplesmente sumiu no navio de apoio U.S.S Burleson antes de reaparecer no dia seguinte.

Embora as circunstâncias da história do porco 311 não sejam totalmente claras, Kathryn Higley, professora da Escola de Ciência e Engenharia Nuclear da Oregon State University, disse à Newsweek que vários fatores podem ter tido um impacto na sobrevivência dos animais durante a Operação Encruzilhada.

“A detonação de uma arma nuclear resulta na liberação de altos níveis de radiação, altos níveis de calor e ondas de choque”, disse.

“Quando a radiação atinge o corpo, pode danificar as células. Se um número suficiente de células for danificado, a função do órgão pode ser prejudicada, ou até mesmo a morte do órgão pode ocorrer.”

Esses tipos de efeitos podem ocorrer muito rapidamente (com uma dose alta) ou levar semanas a meses para ocorrer (com dose moderadamente alta). Alguns dos animais da Operação Crossroads sobreviveram à explosão inicial, mas os danos nos tecidos internos que sofreram foram tão grandes que morreram nos dias ou meses seguintes.

“Com doses mais baixas, as células do corpo são em grande parte capazes de reparar os danos, mas há algum potencial para que ocorram reparos incorretos. Tais reparos incorretos podem preparar o cenário, por exemplo, para causar um câncer”, disse Higley.

“Esse tipo de efeito é chamado de estocástico, porque a probabilidade de contrair câncer por exposição é baseada em uma probabilidade. Quanto maior a dose total, maior o potencial ou probabilidade de ter câncer – mas não o potencial para um ‘pior caso’ de câncer.”

Impactos duradouros dos testes nucleares dos EUA

Os impactos do teste não foram sentidos apenas pelos animais. No total, os EUA realizaram 67 testes nucleares nas Ilhas Marshall nas décadas de 1940 e 1950, deixando para trás contaminação radioativa que ainda pode ser detectada hoje.

“Tragicamente, os efeitos desses testes não se limitaram a animais”, disse Knox. “Populações nativas de ilhéus de Marshall também foram expostas aos efeitos da radiação e ao legado de contaminação ambiental deixado para trás.”

Em 2019, estudos mostraram altos níveis de contaminantes radioativos em amostras de solo e frutas retiradas das Ilhas Marshall.

Os sobreviventes ainda sofrem com as consequências humanitárias desses testes e experimentaram taxa significativamente maior de câncer, natimortos, abortos espontâneos, defeitos congênitos e problemas reprodutivos, entre outras consequências ambientais e de saúde a longo prazo.

Alicia Sanders-Zakre, coordenadora de políticas e pesquisas da Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares, disse à Newsweek: “O risco crescente de que as armas nucleares possam ser usadas novamente hoje torna ainda mais urgente apoiarmos aqueles que já estão vivendo com os efeitos dos ataques no Japão e dos testes realizados em muitos outros países desde 1945, e que conscientizemos o mundo sobre o impacto devastador que eles têm.

“O Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares [assinado em setembro de 2017, em vigor desde janeiro de 2021] apresenta o único caminho realista para eliminar o risco de uso de armas nucleares eliminando as próprias armas. Todos os países devem aderir a este tratado sem demora.”

Via Newsweek

Imagem destacada: l i g h t p o e t/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!