A crise de overdose por drogas afeta o mundo todo. Nos EUA, por exemplo, mais de 107 mil mortes causadas por drogas em 2021, crescimento de 28% em relação a 2020.

A substância Fentanil foi uma das principais causadoras, com 64% das mortes envolvendo esse opioide sintético e seus análogos. Grupos de redução de danos trabalham para salvar vidas com medicamentos como o naloxone, mas que ainda não são tão eficazes.

Leia mais:

Contudo, logo, poderemos ter mais uma ajuda para salvar viciados em drogas. Cientistas descobriram que, curiosamente, diversas substâncias relacionadas ao fentanil possuem potencial para reverter overdoses. Além disso, ainda em dezembro, o Congresso dos EUA poderá deixar os estudos acerca dessas e de outras drogas mais fácil para os pesquisadores.

publicidade

Atualmente, para se obter autorização para pesquisas em cima de substâncias relacionadas ao fentanil – também chamadas de fentalogs -, requer passar por uma série de burocracias.

John Traynor, professor de farmacologia na Universidade de Michigan, é um dos poucos pesquisadores que obtiveram sucesso na aprovação para realizar os estudos, a qual ele diz “não [ser] impossível, mas frustrantemente lento”.

Ele precisou de um ano para ele receber aprovação parcial e mais um ano para seu laboratório obter acesso total aos fentalogs necessários. Em recente carta aberta ao presidente dos EUA, Joe Biden, mais de uma centena de outros pesquisadores chamou o processo de aprovação de “proibitivamente difícil”.

O motivo de toda essa burocracia? Em 2018, o governo Trump classificou temporariamente todos os fentalogs como sem uso médico aceito (o próprio fentanil permaneceu como Classe II, pois é analgésico comum em hospitais).

O processo de aprovação bizantino para estudar essas drogas reflete seu status como perigos potenciais aos olhos dos reguladores; a Agência de Repressão às Drogas dos EUA (DEA) não quer que qualquer um coloque as mãos nessas substâncias e quer garantir que sejam manuseadas adequadamente. O laboratório de Traynor teve que comprar novo cofre durante o processo de aprovação e recebeu muitas visitas pessoais de oficiais locais da DEA.

Normalmente, o DEA agenda medicamentos individuais após processo de avaliação em várias etapas, verificando se cada um pode ter valor terapêutico e potencial para abuso.

Desta vez, baniu todo um grupo de substâncias molecularmente relacionadas sem avaliá-las primeiro. Acredita-se que existem milhares dessas substâncias, muitas das quais podem ser completamente inofensivas e algumas podem ser úteis.

Drogas. Imagem: Shutterstock
Substância tem potencial de reverter overdose (Imagem: Shutterstock)

A proibição abrange até mesmo fentalogs hipotéticos – substâncias que ainda não existem e para as quais não pode haver nenhuma prova de perigo: como, por exemplo, substâncias que podem ser vitais para o desenvolvimento de medicamentos para reversão de overdose.

Desde que Biden assumiu o cargo, essa política temporária foi repetidamente estendida pelo Congresso. Está para renovação mais uma vez, já que a extensão atual expira no final deste ano.

Os críticos dizem que a classificação dessas drogas é pesada, baseada no medo e não nas evidências. “Ela ignora a ciência”, diz Maritza Perez, diretora da Drug Policy Alliance, organização sem fins lucrativos focada na reforma da política de drogas.

Frustrados com essa proibição total e ansiosos para desenvolver novos tratamentos para overdose, um número crescente de cientistas, médicos e outros pesquisadores estão recuando.

“Uma proibição em toda a classe com base apenas na estrutura química impediria muitas pesquisas que poderiam levar a medicamentos que salvam vidas”, diz Gregory Dudley, professor de química da West Virginia University e um dos coautores da carta aberta a Biden.

Nessa carta, Dudley e outros cientistas argumentam que o status permanente de proibição poderia “inadvertidamente criminalizar” ferramentas importantes para combater a crise de overdose.

Dudley apoia projeto de lei apresentado na semana passada pelo senador dos EUA, Cory Booker, chamado de Ato de Agendamento e Testes de Emergência Temporária (TEST), que estenderia temporariamente a proibição novamente, mas também exigiria que o governo avaliasse fentalogs individuais, removendo aqueles com usos terapêuticos ou sem risco de abuso.

Booker espera poder apresentar seu projeto de lei como uma abordagem de bom senso para a questão. “Este projeto de lei estabelece meio-termo para garantir que estamos fazendo tudo o que podemos para salvar vidas”, disse ele à WIRED por e-mail.

Muitas pessoas são contra o Fentanil, mas seus derivados podem ser a solução (Imagem: Phil Pasquini/Shutterstock)

A descoberta de novo medicamento para reversão de overdose seria grande vitória para a saúde pública. A Naloxona – muitas vezes referida por seu nome comercial, Narcan – é atualmente a única droga amplamente disponível para reverter overdoses de opioides.

Molecularmente semelhante ao opioide Oximorfona, a Naloxona funciona ligando-se aos receptores opioides, bloqueando os efeitos de outros opioides. Não é uma “bala de prata”, mas se tornou ferramenta importante para manter as pessoas vivas. Muitas vezes, porém, é escasso – e pode ser caro.

Embora a Naloxona possa reverter as overdoses de fentanil, nem sempre é tão eficaz quanto com opioides menos potentes. “Um problema é a renarcotização”, diz Traynor. Uma dose de Naloxona que reviveria alguém que tomou muita heroína pode passar para alguém que tomou fentanil, causando o retorno dos sintomas de overdose.

Isso significa que várias doses de Naloxona podem ser necessárias para interromper as overdoses de fentanil. Se houver opção mais eficiente para reverter especificamente as overdoses de fentanil, isso pode ter efeito sísmico de salvamento de vidas.

Durante audiência no Congresso estadunidense no ano passado, Douglas Throckmorton, vice-diretor de programas regulatórios da FDA, revelou que a agência sabia de pelo menos um fentalog com potencial para reverter overdoses.

Um porta-voz da FDA disse à WIRED por e-mail que a agência estudou “menos de 35” substâncias relacionadas ao fentanil até agora; eles não forneceram nenhuma informação adicional sobre a substância mencionada por Throckmorton.

Mas já houve outros desenvolvimentos promissores. No laboratório de Traynor na Universidade de Michigan, sua equipe já descobriu vários outros fentalogs com propriedades potencialmente reversíveis de overdose, com dois candidatos especialmente fortes; eles pretendem desenvolver medicamento patenteado para reversão de overdose baseado nessas substâncias.

Como levou anos para concluir o processo de aprovação, este não foi um projeto particularmente rápido. “Estamos trabalhando nisso há apenas um ano e somos uma equipe pequena”, diz Traynor.

Até agora, eles estudaram apenas as substâncias em ensaios bioquímicos e estão discutindo como seriam os testes em camundongos, mas ainda não chegaram a esse estágio.

Com informações de WIRED

Imagem destacada: Sonis Photography/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!