Contas de propaganda pró-Rússia, em sua maioria contra os EUA e a Ucrânia, estão usando o novo sistema de verificação paga do Twitter para impulsionar seus perfis e postagens e aparecerem de forma proeminente.

As contas afirmam estariam fora da Rússia, de modo que podem pagar pela verificação sem entrar em conflito com as sanções dos EUA. Mas eles reproduzem artigos da mídia estatal, declarações de autoridades russas e fake news sobre a Ucrânia de aliados do Kremlin, segundo o grupo de pesquisa Reset, que compartilhou suas descobertas com o The Washington Post.

Leia mais:

Um dos relatos se descreve em inglês como “Sem acordar. Sem BLM. Sem pronomes de gênero… Apenas anti-imperialismo”. Supostamente baseado em São Francisco, sua foto de perfil mostra uma mulher loira usando um chapéu de pele com um emblema de foice e martelo.

publicidade

A bio de outro perfil diz que está “fazendo minha parte para impedir o apoio ocidental à máquina de guerra ucraniana, um contribuinte de cada vez”. Ele tuita regularmente vídeos que diz mostrar russos matando soldados ucranianos.

A maioria das dezenas de contas identificadas pelo Reset foram criadas no ano passado durante a primeira fase da guerra na Ucrânia. Páginas da web arquivadas mostram que as contas não tinham marcas de seleção azuis até recentemente, depois que Elon Musk introduziu modelo de pagamento e disse que eliminaria gradualmente as verificações herdadas que identificaram políticos, jornalistas e outras figuras notáveis e eliminaram impostores.

Musk disse que, no futuro, tuítes e respostas desses assinantes pagos serão apresentados com ainda mais destaque no feed de notícias e na pesquisa do Twitter. Mas algumas das contas já tiveram mais visualizações nas últimas semanas. Musk impulsionou uma das contas respondendo a seus tuítes, incluindo um espalhando a mentira de que milhares de soldados da OTAN morreram na Ucrânia.

O Reset disse que o aumento mostrou grande problema com sistema que permite que contas anônimas comprem verificação, dando-lhes melhor posicionamento em buscas, menções e respostas.

As contas que apareceram estão “compartilhando abertamente conteúdo da mídia estatal russa, desinformação alinhada ao Kremlin sobre o conflito na Ucrânia e propaganda de guerra direta”, escreveu o grupo.

O Twitter rotula a principal conta RT de três milhões de seguidores de “mídia afiliada ao estado da Rússia” e carrega tique azul herdado por ser notável e não um impostor. As contas recém-verificadas não possuem esse rótulo.

Ex-funcionários e pesquisadores de desinformação já culparam a empresa por demitir muitos especialistas regionais que avaliam operações de influência, dissolver um conselho consultivo de segurança e trazer de volta contas que haviam sido banidas por discurso de ódio e disseminação de mentiras.

Pelo menos dois membros proeminentes do regime talibã do Afeganistão também pagavam US$ 8 ou US$ 11 mensais pela verificação até que a mídia noticiou no mês passado. Suas verificações foram removidas.

O tratamento do Twitter à Rússia está sob escrutínio especial porque Musk tem papel complexo, mas crítico, no conflito na Ucrânia. A SpaceX tem sido essencial para a defesa da Ucrânia, fornecendo milhares de terminais de comunicação por satélite Starlink que permitiram à Ucrânia manter o serviço de internet apesar dos ataques russos à infraestrutura.

Mas ele também disse que o Starlink não deve ser usado para fins militares ofensivos e tuitou uma proposta para resolver a guerra que a Rússia acolheu.

Embora a Rússia exija que seus provedores de internet bloqueiem o acesso ao Twitter, a plataforma continua sendo um lugar para os russos compartilharem notícias e debates anônimos.

As pessoas na Rússia podem acessar o serviço por meio de VPNs ou via proxy, enquanto o crescente número de expatriados contribui livremente.

A atividade russa em plataformas fora do país tem sido controversa desde logo após a eleição presidencial de 2016, quando a Agência Russa de Pesquisa da Internet foi exposta como direcionando o conteúdo polarizador no Twitter e no Facebook para influenciar a eleição a favor de Donald Trump. Como acontece com algumas das novas contas, os agentes da “fábrica de trolls” geralmente fingiam ser americanos patriotas.

Ucrânia é o país que mais sofre ataques cibernéticos no mundo
Imagem: Andrew Angelov/Shutterstock

Na semana passada, o oligarca punido Yevgeniy Prigozhin disse que não apenas financiou a Agência de Pesquisa da Internet, mas também a criou e a administrou. Pouco antes das eleições intermediárias de novembro, ele disse, também havia interferido nas disputas dos Estados Unidos.

Yoel Roth, que era o chefe de confiança e segurança do Twitter até novembro, disse a dois aliados que permaneceu no Twitter após a aquisição de Musk para combater essa influência estrangeira enganosa nas eleições. Ele renunciou logo depois e testemunhou ao Senado dos EUA neste mês que milhares de contas automatizadas de propaganda russa ainda estão na plataforma.

Os amplos cortes de empregos e demissões de Musk reduziram drasticamente o número de funcionários dedicados a combater campanhas de influência, e o último especialista em Rússia da plataforma saiu recentemente, de acordo com duas pessoas que trabalharam com essa pessoa.

A perda semelhante de conhecimento chinês do Twitter tornou mais difícil para os críticos exilados superar suspensões impróprias ou proibições de busca, disseram as vítimas em entrevistas.

Eles enviaram capturas de tela ao The Washington Post de dezenas de contas que não apareciam nos resultados de pesquisa ou eram banidas por comportamento de spam, ações que duraram semanas. O spam também superou os relatórios de cidades chinesas no outono passado sobre protestos dramáticos contra bloqueios de coronavírus.

Nem o novo chefe de confiança e segurança do Twitter, nem Musk responderam aos pedidos de comentários por parte do TWP.

As contas pró-russas verificadas identificadas pelo Reset adotam variedade de abordagens. Alguns se autodenominam meios de comunicação independentes. Outro, chamado @LogKa11, criado em fevereiro de 2022, compartilha principalmente conteúdo de guerra pró-Rússia em inglês para seus mais de 30 mil seguidores, incluindo histórias de correspondentes de guerra incorporados a tropas russas e vídeos de ataques bem-sucedidos.

Ele repetidamente ligou os ucranianos aos nazistas, escrevendo em dezembro que “a Ucrânia moderna tem estranha obsessão pelo nazismo”. Isso ecoa como uma das principais justificativas do presidente russo Vladimir Putin para a invasão.

Outro perfil, chamado @PutinDirect, publica vídeos com comentários do líder russo com legendas em inglês e links para discursos completos.

Entre os mais populares está o @Runews, que existiu por mais de uma década antes de receber o selo de verificação. Descrevendo-se como “jornalista cidadão”, atinge 260 mil seguidores com propaganda às vezes pesada, como suas repetidas sugestões recentes de que Ohio “deveria realmente se declarar parte da Ucrânia na esperança de receber ajuda do governo Biden”.

A conta “está envolvida regularmente com conteúdo vindo da mídia estatal russa, como RT International @RT_com ou editora-chefe Margarita Simonyan @m_simonyan. Também está compartilhando vídeos da mídia russa ou de outros canais pró-russos com conteúdo que ridiculariza a UE, a OTAN, a Ucrânia e o Ocidente como um todo e apoia claramente as ações da Rússia na guerra”, escreveu o Reset. “Também produz conteúdo voltado para o Twitter dos republicanos dos EUA.”

O Runews recebeu a verificação em meados de janeiro. Em 6 de fevereiro, Musk impulsionou o perfil da conta ao responder à alegação de que 157 mil soldados ucranianos e 2,45 mil soldados da OTAN morreram na guerra com o comentário: “Uma trágica perda de vidas.”

Outra resposta de Musk à mesma conta fez com que ela aparecesse na exibição “Para você” de uma conta de pós-teste que não seguia o Runews. A OTAN não enviou soldados para a Ucrânia, embora a Rússia tenha caracterizado a Ucrânia como uma marionete da aliança EUA-Europa.

As impressões de tuítes da conta @runews ultrapassaram dez milhões e permanecem muito mais altas do que antes, de acordo com análise do TWP de dados públicos.

Contas de trolls ainda estão sendo suspensas, de acordo com um pesquisador que apoia o crítico de Putin preso Alexei Navalny e tuíta como @Antibot4Navalny. Mas leva tempo, enquanto novas contas estão constantemente chegando online.

O pesquisador, que mora na Rússia e concordou em falar sob condição de anonimato para proteger sua segurança, disse ao The Washington Post que até setembro nunca havia contado mais de 500 contas de aliados russos ativas simultaneamente no Twitter, mas que ultimamente ele tem visto mais de 800. A maioria tem poucos seguidores, mas eles podem sobrecarregar as discussões do tweet com respostas que favorecem as posições de Putin.

Ele se preocupa com o que está por vir, com uma equipe de confiança e segurança eviscerada, acesso reduzido para pesquisadores e marcas de verificação azuis à venda para aliados do governo que podem colocar mais energia para ocultar seu propósito.

Além das contas de troll alimentadas por humanos, as contas automatizadas têm promovido a desinformação pró-Rússia, de acordo com o pesquisador de longa data Marc Owen Jones, professor da Universidade Hamad Bin Khalifa, no Catar.

Jones descobriu que um grupo-chave de influenciadores promoveu uma teoria da conspiração de que os Estados Unidos causaram o terremoto turco como punição pela oposição do país à expansão da OTAN, e que seus tuítes foram amplificados por milhares de contas, incluindo centenas de contas criadas simultaneamente ao longo alguns dias em outubro e abril passado.

Quase mil deles também tuitaram que o líder ucraniano Volodymyr Zelensky é um criminoso de guerra, disse Jones ao The Post. “Esse subconjunto era predominantemente de contas MAGA”, disse ele, referindo-se àquelas com esse acrônimo ou outras palavras-chave preferidas por fortes apoiadores de Trump em suas biografias.

“O que tornou esse grupo interessante é que eles foram criados em curto espaço de tempo, o que parece anômalo, ou seja, potencialmente contas de propaganda.”

Via The Washington Post

Imagem destacada: Koshiro K/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!