As baterias de lítio, encontradas em vários produtos populares, estão na mira novamente. Isso aconteceu após um grande incêndio ter ocorrido nesta semana em Nova York, que deve ter sido causado por uma bateria conectada em uma scooter elétrica.

Ao menos sete pessoas se machucaram no incêndio ocorrido no bairro do Bronx. Os oficiais creem que a bateria que abastecia a scooter foi a causadora, localizada no estacionamento de um prédio de apartamentos.

Leia mais:

Em todos esses incêndios, esses incêndios de baterias de íons de lítio, não é uma queima lenta; não há pequena quantidade de fogo, literalmente explode. É um tremendo volume de fogo assim que acontece, e é muito difícil de extinguir e por isso é particularmente perigoso.

Laura Kavanagh comissária do FDNY

Mais recentemente, nesta semana, um incêndio em uma residência ocorrido nesta semana em Carlsbad, Califórnia, teria sido causado por uma bateria de lítio de uma scooter elétrica.

publicidade

Na terça-feira, surgiu vídeo de um proprietário canadense correndo escada abaixo para encontrar a bateria de sua bicicleta elétrica explodindo em chamas. Um incêndio em uma casa em Massachusetts no mês passado também está sob investigação por questões semelhantes.

Esses incidentes estão se tornando mais comuns por vários motivos. Para começar, as baterias de íons de lítio estão agora em vários produtos tecnológicos de consumo, alimentando laptops, câmeras, smartphones e muito mais. Eles permitem que as empresas espremam horas de duração da bateria em dispositivos cada vez mais finos.

Mas uma combinação de problemas do fabricante, mau uso e envelhecimento das baterias pode aumentar o risco de explosão, que usam materiais inflamáveis.

Baterias de lítio são geralmente seguras e improváveis de falhar, mas apenas enquanto não houver defeitos e as baterias não forem danificadas ou maltratadas. Quanto mais baterias nos cercarem, mais incidentes veremos.

Steve Kerber, vice-presidente e diretor executivo do Underwriters Laboratory (UL) Fire Safety Research Institute ( FSRI)

Em 2016, a Samsung emitiu recall global do Galaxy Note 7 em 2016, citando “problemas nas células da bateria” que fizeram com que o dispositivo pegasse fogo e às vezes explodisse.

Mais tarde, HP e Sony fizeram recall de baterias de computador de lítio por riscos de incêndio, e cerca de 500 mil hoverboards foram recolhidos devido ao risco de “pegar fogo e/ou explodir”, de acordo com a Comissão de Segurança de Produtos de Consumo dos EUA.

Em 2020, a FAA (Federal Aviation Administration) proibiu baterias de íon-lítio desinstaladas de serem despachadas nas bagagens e disse que devem permanecer com passageiro em sua bagagem de mão, se aprovado pela companhia aérea e entre 101-160 watts-hora. “Incidentes de fumaça e incêndio envolvendo baterias de lítio podem ser mitigados pela tripulação e pelos passageiros dentro da cabine da aeronave”, disse a FAA.

Apesar das preocupações, as baterias de íon-lítio continuam a prevalecer em muitos dos gadgets mais populares de hoje. Algumas empresas de tecnologia apontam suas habilidades de carregar mais rápido, durar mais e acumular mais energia em pacote mais leve, mas nem todas as baterias de lítio são iguais.

O problema das baterias de lítio

Dylan Khoo, analista da empresa de inteligência tecnológica ABI Research, disse que bicicletas e patinetes elétricos usam baterias que podem ser cerca de 50 vezes maiores do que as de um smartphone. “Portanto, quando ocorre um incêndio, é muito mais perigoso”, disse Khoo.

Todas as baterias de íon-lítio usam materiais inflamáveis, e incidentes como o do Bronx são provavelmente o resultado de “descontrole térmico”, reação em cadeia que pode levar a incêndio ou explosão catastrófica, de acordo com Khoo.

Esse processo pode ser desencadeado por superaquecimento da bateria, perfuração ou falha elétrica como um curto-circuito. Nos casos em que ocorrem incêndios espontaneamente durante o carregamento, é provável que seja devido a defeitos de fabricação.

Dylan Khoo, analista da ABI Research

De acordo com Kerber, o número de incêndios causados por baterias de íon-lítio está crescendo com enorme frequência nos EUA e internacionalmente, principalmente quando se trata de e-bikes e e-scooters, devido ao aumento nas compras desses produtos durante a pandemia.

“Depois que a Covid começou, o uso de scooters aumentou drasticamente, especialmente em lugares como a cidade de Nova York, para entregas”, disse Kerber. “As pessoas começaram a se cobrar demais por eles e recorreram a fabricantes que por acaso tinham controle de qualidade inferior com os sistemas de bateria. Os fabricantes de qualidade não estão tendo problemas.”

“Isso continuará acontecendo até que haja regulamentação sobre a qualidade desses dispositivos”, afirmou Kerber.

O que os consumidores podem fazer

Kerber recomenda que as pessoas comprem bicicletas elétricas e scooters com certificação UL de varejistas confiáveis; os mercados on-line muitas vezes tornam difícil para os clientes saber de onde os produtos realmente vêm. Se ocorrer incêndio, ele aconselhou as pessoas a evacuar e ligar para o 911 (o 190, 193, etc., dos EUA, que chama a polícia, bombeiros ou ambulância) imediatamente, em vez de tentar apagá-lo por conta própria.

“O fogo se espalha incrivelmente rápido e um extintor de incêndio não é eficaz”, disse.

Além de scooters e e-bikes, os especialistas alertam que qualquer pessoa com bateria de íon-lítio deve seguir as diretrizes adequadas de carregamento e uso da bateria.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Michigan, qualquer dispositivo com esse tipo de bateria deve ser carregado e armazenado em local fresco e seco, e não deixado carregando por muito tempo ou enquanto você dorme – recomendação que provavelmente vai contra quantos os consumidores lidam com seus dispositivos.

“As temperaturas elevadas podem acelerar a degradação de quase todos os componentes da bateria e podem levar a riscos de segurança significativos, incluindo incêndio ou explosão”, disseram os pesquisadores. “Se um laptop ou celular estiver visivelmente quente durante o carregamento, desconecte-o. Minimize a exposição a baixas temperaturas, especialmente durante o carregamento.”

As baterias também devem ser inspecionadas rotineiramente para garantir que não haja rachaduras, protuberâncias ou vazamentos, e as pessoas devem sempre usar o carregador que acompanha o dispositivo ou usar de fornecedor confiável. Ao carregar uma scooter ou bicicleta elétrica, Kerber disse que nunca deve bloquear uma saída de incêndio ou rota de saída.

Embora algumas composições químicas de bateria sejam mais seguras do que outras, ainda estamos a alguns anos da adoção de uma alternativa de íon-lítio melhor e mais segura, de acordo com Sridhar Srinivasan, diretor sênior da empresa de pesquisa de mercado Gartner.

Por exemplo, as baterias LFP (fosfato de ferro e lítio) não superaquecem tanto quanto outros tipos de baterias de íons de lítio. Futuras tecnologias de baterias em desenvolvimento, como baterias de íon de sódio ou de estado sólido, também devem abordar alguns dos problemas de segurança do íon de lítio.

Com informações de CNN

Imagem destacada: Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!