Chega ao fim uma novela paleontológica que já dura 28 anos: “O Destino de Ubirajara”, o fóssil de dinossauro descoberto no Ceará que foi levado ilegalmente do Brasil em 1995. 

Conforme noticiado pelo Olhar Digital em setembro de 2021, a relíquia foi parar alguns anos depois no Museu de História Natural de Karlsruhe, no estado de Baden-Württemberg, Alemanha, que se recusava a repatriá-la. 

Em julho do ano passado, após uma intensa campanha promovida durante meses nas redes sociais, usando a #UbirajaraBelongstoBR (Ubirajara pertence ao Brasil), a então ministra da Ciência alemã, Theresia Bauer, chegou a manifestar que o fóssil seria devolvido.

No entanto, na época, nada se sabia sobre data de retorno nem para qual instituição brasileira o item seria encaminhado.

publicidade

“Ao contrário de alguns meses atrás, Baden-Württemberg agora considera ilegal a aquisição dos restos fossilizados do período cretáceo e quer devolvê-los ao Brasil”, teria dito Bauer, segundo uma publicação feita pela paleontóloga e professora Aline Ghilardi, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), criadora da campanha no Twitter.

De acordo com a pesquisadora, casos de tráfico de fósseis são discutidos frequentemente, mas esse foi o que mais chamou sua atenção. 

Imagem do fóssil publicada na revista científica Cretaceous Research. Crédito: Rodrigo Temp Müller / Divulgação / CP

Leia mais:

Entenda o caso:

  • Descoberto na região da Bacia do Araripe, interior do Ceará, o fóssil da espécie Ubirajara jubatus, é datado do período Cretáceo e viveu há cerca de 110 e 115 milhões de anos;
  • Trata-se da primeira espécie não aviária de dinossauro encontrada com penas preservadas na América Latina;
  • Segundo relataram à Folha de S. Paulo os autores do estudo que descreve a espécie, o fóssil foi retirado do Brasil em 1995, com autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral, órgão que não existe mais;
  • A Sociedade Brasileira de Paleontologia garante que o documento que autorizou a exportação do fóssil era genérico e teria sido assinado por um funcionário criminoso, condenado por fraudar laudos para extração de esmeraldas;
  • Por essa razão, a entidade questiona a validade do documento;
  • Soma-se a isso a Convenção da Unesco sobre Medidas para Proibir e Prevenir a Importação, Exportação e Transferência Inadmissível de Propriedade de Bens Culturais, documento de 1973;
  • Em sua defesa, o museu alemão argumentou que o país estabeleceu uma lei, em 2016, que legaliza todo material levado para lá antes de 26 de abril de 2007;
  • Diante da situação, a comunidade científica e a mobilização popular do Brasil se empenharam em mudar a decisão, solicitando medidas da embaixada brasileira na Alemanha para que o fóssil fosse repatriado.

Para onde vai o fóssil do dinossauro Ubirajara

Na última semana, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) anunciou que as tratativas entre Alemanha e Brasil foram concluídas a nosso favor, e que a peça chega em junho, para fazer parte do acervo do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens, em Santana do Cariri, no Ceará. 

Isso representa uma mensagem importante contra o colonialismo da ciência no século XXI e abre um forte precedente para que mais fósseis voltem aos seus países de origem. 

Aline Ghilardi, paleontóloga da UFRN

Para o reitor da Universidade Regional do Cariri, Francisco do O’ de Lima Júnior, agora é um momento oportuno para a volta do fóssil Ubirajara. “Teremos a revalidação do Geoparque do Araripe, e a repatriação fortalece a missão de valor e preservação do nosso trabalho”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!