Jumpscare é uma técnica usada em filmes, jogos de vídeo game, vídeos e outros meios de entretenimento para assustar ou surpreender o público repentinamente. A técnica consiste na construção de uma cena tranquila e silenciosa, seguida por um evento abrupto, geralmente acompanhado de um som alto e impactante, visando provocar um susto ou um sobressalto no espectador.

Leia mais:

E o que é um jumpscare?

Geralmente, as Jumpscares podem envolver a aparição inesperada de uma criatura assustadora, um barulho repentino, uma imagem perturbadora ou qualquer outro elemento que provoque uma reação emocional forte, tensa e imediata.

Com o passar dos anos, essa técnica tem se mostrado altamente efetiva, sobretudo no gênero do horror ao qual está associada. 

publicidade

Muitas obras a utilizam de maneira excessiva e algumas chegam a levar à exaustão. Essa ferramenta se tornou tão reconhecível que muitos espectadores anseiam por esses momentos específicos para experimentar o susto.

Embora os jumpscares possam ser um clichê amplamente aceito pelo grande público e eficazes para criar momentos de impacto em uma cena, geralmente são mal vistos por parte considerável da crítica especializada. 

Além disso, uma parte do público já demonstra cansaço em relação a esse recurso, e algumas pessoas podem ser mais sensíveis a esse tipo de estímulo, reagindo com desconforto ou ansiedade.

Cena do filme Sobrenatural (2010) / Crédito: Blumhouse Productions(divulgação)

Qual foi o primeiro jumpscare?

Apesar de não ser uma obra de terror, “Cidadão Kane” (1941), de Orson Welles, é o primeiro filme conhecido a empregar uma jumpscare. O momento consiste em uma transição de cena abrupta em que surge repentinamente uma cacatua gritando alto. 

Cena clássica do pássaro em Cidadão Kane (1941)

O primeiro filme de terror conhecido por utilizar uma jumpscare convencional como estamos familiarizados foi “Sangue de Pantera” (1942), dirigido por Jacques Tourneur e produzido por Val Lewton. O mérito vai para o montador Mark Robson, que criou a jumpscare durante o processo de edição e montagem do filme. 

A cena envolve uma personagem caminhando em uma rua deserta à noite e percebe que está sendo seguida. A tensão é habilmente conduzida por Tourneur, criando uma atmosfera de apreensão crescente. O susto é provocado com a chegada repentina e barulhenta de um ônibus. Esse momento ficou conhecido como “Lewton Bus”, em homenagem ao produtor Val Lewton, e tornou-se um marco na história do cinema.

Cena do filme Sangue de Pantera (1942)

O uso dessa técnica aumentou e se estabilizou de vez com a febre dos slashers da década de 80.

Os jumpscares se mostraram extremamente eficazes e transcenderam as telas dos cinemas, encontrando seu caminho para outras formas de mídia, como os videogames. 

Jogos de terror, como os  survival horror, fazem uso frequente de jumpscares para mergulhar os jogadores em uma atmosfera de suspense e criar momentos de apreensão.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!