Desde o início da pandemia de Covid-19, os sindicatos trabalhistas têm desfrutado de algo como um renascimento. Eles abriram caminho em empresas anteriormente não sindicalizadas, como Starbucks e Amazon, e conquistaram acordos incomumente fortes para centenas de milhares de trabalhadores. No ano passado, a aprovação pública dos sindicatos atingiu seu nível mais alto desde a presidência de Lyndon Johnson.

No entanto, até agora, os sindicatos não tiveram um verdadeiro momento de teste em escala nacional. Greves de trabalhadores ferroviários e funcionários da UPS, que tinham o potencial de abalar a economia dos Estados Unidos, foram evitadas no último minuto. O impacto das greves contínuas de escritores e atores tem sido fortemente concentrado no sul da Califórnia.

Leia mais:

A greve dos United Automobile Workers (U.A.W., ou Trabalhadores Automobilísticos Unidos), cujos membros abandonaram o trabalho em três fábricas na sexta-feira (15), está se configurando para ser um teste desse tipo, segundo o The New York Times.

publicidade

Um contrato com aumentos salariais substanciais e outras concessões das três montadoras pode anunciar o trabalho organizado como força econômica a ser considerada e acelerar onda recente de organização sindical. Mas também existem riscos reais.

Uma greve prolongada pode minar as três montadoras estabelecidas nos EUA – General Motors (GM), Ford e Stellantis (dona de Chrysler, Jeep e Ram) – e levar o crucial Meio-Oeste politicamente para a recessão. Se o sindicato for visto como exagerado, ou se aceitar acordo fraco após uma paralisação custosa, o apoio público pode se deteriorar.

O novo presidente da U.A.W., Shawn Fain, tem destacado a importância dessa greve. Durante reuniões frequentes por vídeo com os membros antes da greve, Fain retratou as negociações como luta mais ampla entre trabalhadores comuns e titãs corporativos.

Volta dos sindicatos

“Agora, os sindicatos estão na moda”, disse Michael Lotito, advogado da Littler Mendelson, empresa que representa a gestão. “Mas os sindicatos correm o risco de não serem tão modernos se você tiver greve de cinco meses em Los Angeles e uma greve de X meses em quantos outros estados”, acrescentou.

  • A greve dos United Automobile Workers poderia ter repercussões em outras indústrias, onde os trabalhadores parecem estar prestando atenção nas ações trabalhistas do último ano;
  • O sucesso dessa greve pode encorajar outras greves e a união de trabalhadores em diferentes setores;
  • No entanto, é importante destacar que a greve também pode causar danos colaterais que criariam frustração e dificuldades para dezenas de milhares de trabalhadores não sindicalizados e suas comunidades.

Expectativas dos sindicalistas e trabalhadores automobilísticos

Os líderes da U.A.W. têm adotado postura mais ambiciosa em relação às montadoras, mas alguns especialistas argumentam que as demandas agressivas dos sindicatos podem desencorajar os negócios a investir nos Estados Unidos ou torná-los menos competitivos em relação aos concorrentes estrangeiros.

Embora a greve seja arriscada, há ampla aprovação pública dos trabalhadores da U.A.W. na disputa, o que sugere que o contexto atual é diferente de greves anteriores que contribuíram para a perda de poder dos sindicatos.

Em resumo, a greve dos United Automobile Workers é decisiva para os sindicatos trabalhistas. Um acordo bem-sucedido com aumentos salariais substanciais e concessões significativas poderia fortalecer a imagem do trabalho organizado e impulsionar onda de organização sindical em outras indústrias. Porém, uma greve prolongada e seus efeitos negativos poderiam minar as montadoras estabelecidas nos EUA e gerar frustrações entre os trabalhadores e suas comunidades.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!