O ressurgimento da Huawei pode representar grande desafio para a Apple no mercado chinês. Enquanto a empresa da maçã enfrenta problemas devido a riscos geopolíticos e situação econômica desfavorável, a chinesa tem mostrado avanço no desenvolvimento de semicondutores que desafia as sanções impostas pelos Estados Unidos.

Apesar das restrições estadunidenses, a Huawei lançou recentemente o Mate 60 Pro na China, revelando que o chip utilizado é produzido pela SMIC, mesmo com ambas as empresas presentes na lista de entidades proibidas de adquirir tecnologia dos EUA.

Leia mais:

A SMIC é considerada atrasada em relação à TSMC, empresa que anteriormente fabricava os chips da Huawei, segundo relata a CNBC.

publicidade

Avanço da Huawei

  • Mesmo sem acesso às tecnologias cruciais, a Huawei conseguiu desenvolver chip de 7 nm, avanço significativo na indústria de semicondutores;
  • Apesar de não utilizar as máquinas de litografia de ultravioleta extrema (EUV) da holandesa ASML, restritas pelo governo holandês, a SMIC tem avançado na fabricação de chips;
  • No entanto, a eficiência e a sustentabilidade desse processo em larga escala ainda são desconhecidas;
  • A produção de chips com baixo rendimento pode tornar o processo ineficiente e custoso.

Mistério sobre o processador de 7 nm

Ainda não há informações sobre o rendimento do processo de 7 nm da SMIC para os chips da Huawei, mas acredita-se que seja baixo. Esse avanço tecnológico da SMIC sem a utilização das máquinas EUV da ASML preocupa os Estados Unidos e expõe as fraquezas da estratégia de restrição de exportações. Isso pode levar a aumento nas restrições impostas à Huawei e em outras áreas do processo de design e fabricação de chips.

Analistas acreditam que a recuperação da Huawei represente ameaça maior para a Apple na China do que as questões geopolíticas. A Huawei, que possui imagem de marca premium semelhante à da Apple e é motivo de orgulho nacional na China, já competia diretamente com a empresa da maçã há anos no mercado chinês.

As vendas da chinesa sofreram redução significativa quando não conseguiu equipar seus smartphones com a tecnologia 5G e os chips mais recentes. No entanto, com o possível ressurgimento da companhia nessa área, como demonstrado pelo Mate 60 Pro, seus novos smartphones podem se tornar opção mais atraente para os compradores chineses.

Por isso, a ameaça da Huawei está concentrada no contínuo desenvolvimento tecnológico, que abrange não apenas semicondutores, mas também novos formatos como smartphones dobráveis.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!