Esta semana, o céu servirá de pista para uma verdadeira “dança da Lua”. O satélite natural da Terra vai atingir o ponto mais próximo do Sol, encontrar-se com Mercúrio ao rodopiar pelo salão celeste e finalizar seu número bem perto do nosso planeta.

Todos os horários mencionados têm como referência o fuso de Brasília.

De acordo com o guia de observação astronômica InTheSky.org, o espetáculo tem início na quarta-feira (16), às 12h39. Nesse momento, a Lua vai chegar no ponto mais próximo do Sol – o chamado periélio. Ela estará a pouco menos de uma unidade astronômica (UA) da nossa estrela hospedeira – algo em torno de 150 milhões de km.

Dando continuidade à sua “turnê mensal” de novembro pelos planetas do Sistema Solar, após passar por Vênus, a Lua vai visitar Mercúrio na quinta-feira (14), aparecendo bem pertinho dele no céu em um fenômeno conhecido como conjunção astronômica. 

publicidade

Do ponto de vista de um observador situado na cidade de São Paulo, neste dia, a dupla será visível das 6h22 às 19h56. Sendo assim, o momento exato da conjunção (quando os dois astros compartilham a mesma ascensão reta – coordenada astronômica equivalente à longitude terrestre) não poderá ser observado, já que isso ocorre às 2h20.

Configuração do céu no exato momento da conjunção da Lua com Mercúrio nesta quinta-feira (14). Crédito: SolarSystemScope

De qualquer maneira, ao longo de todo o dia, eles ainda estarão bem próximos – não o suficiente para caber dentro do campo de visão de um telescópio, mas sendo facilmente vistos a olho nu ou através de um par de binóculos.

A Lua estará com magnitude de -8.6, e a de Mercúrio será de -0.5, ambos na constelação de Sagitário. Quanto mais brilhante um corpo parece, menor é o valor de sua magnitude (relação inversa). O Sol, por exemplo, que é o objeto mais brilhante do céu, tem magnitude aparente de -27.

Por fim, no sábado (16), a Lua alcança o perigeu, que é o ponto de sua órbita mais próximo da Terra. Na ocasião, ela estará posicionada na constelação de Capricórnio.

Leia mais:

De acordo com a plataforma In-The-Sky.org, a distância da Lua em relação à Terra varia porque sua órbita não é perfeitamente circular – é ligeiramente oval, traçando um caminho chamado uma elipse. À medida que ela atravessa esse caminho elíptico ao redor do nosso planeta a cada mês, sua distância varia entre 356.500 km no perigeu e 406.700 km no apogeu (ponto mais distante).

O tamanho angular do astro também varia pelo mesmo fator, entre 29,4 e 33.5 minutos de arco. Ao atingir o perigeu, nosso satélite natural chega a ficar até 14% mais brilhante no céu, quando visível. Isso, no entanto, é difícil de detectar na prática, já que as fases da Lua estão mudando ao mesmo tempo. Desta vez, por exemplo, ela estará no meio da fase nova. 

Fases da Lua

A lua nova marca o início do mês em calendários lunares, como o muçulmano, e nos calendários lunissolares, tais como o judaico, o hindu e o budista.

fases da Lua
Lunação: a cada 29,5 dias (em média), a Lua inicia um ciclo lunar, que começa na fase nova e se encerra na minguante. Imagem: Elena11 – Shutterstock

Uma lunação ou ciclo lunar, como é chamado o intervalo de tempo entre luas novas, é sutilmente variável, com média de duração de 29,5 dias. Durante esse período, ela passa pelas quatro fases principais (nova, crescente, cheia e minguante), e cada uma se prolonga por aproximadamente sete dias.

Também existem as “interfases”: quarto crescente e crescente gibosa (entre as fases nova e cheia) e minguante gibosa e quarto minguante (entre a cheia e a minguante).