Durante o mais recente voo comercial da Virgin Galactic, um componente importante do avião espacial da empresa foi perdido. Isso aconteceu no dia 26 de janeiro, após o lançamento da missão Galactic 06.

Segundo um comunicado da Virgin Galactic, um pino que ajuda a manter o avião espacial VSS Unity acoplado ao porta-aviões VMS Eve acabou se soltando. Essa peça é crucial para garantir a estabilidade quando os dois veículos estão conectados a caminho do espaço.

Como são os voos da Virgin Galactic:

  • Em todos os voos tripulados da Virgin Galactic, a empresa usa um avião espacial chamado de VSS Unity, que é transportado até certa altitude pelo porta-aviões VMS Eve;
  • Depois, os motores do Unity são acionados, e ele se desacopla para continuar o voo;
  • Esses voos são suborbitais, o que significa que não atingem velocidade suficiente para alcançar a órbita da Terra;
  • Assim, o veículo sobe até determinado ponto e depois volta ao solo, não circundando o planeta;
  • Mesmo assim, por alguns instantes, os passageiros experimentam a sensação de gravidade zero.

Os voos da Virgin Galactic costumam atingir cerca de 85 km de altitude, o que gera uma dúvida: os passageiros vivem realmente uma experiência espacial? Isso porque dados oficiais divergem quanto ao ponto exato que estabelece o limite entre a atmosfera da Terra e o espaço sideral.

publicidade

Leia mais:

Apesar do incidente, a empresa garante que o voo foi seguro e bem-sucedido, sem colocar em risco as aeronaves ou a tripulação. “Em nenhum momento o pino de alinhamento destacado representou um impacto na segurança dos veículos ou da tripulação a bordo”.

A perda da peça foi percebida durante inspeção pós-voo. O episódio foi comunicado à Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA), que está conduzindo uma investigação em conjunto com a Virgin Galactic. Até a conclusão da apuração dos fatos, todas as operações da Virgin Galactic estão suspensas.

Virgin Galactic leva primeira mulher da Ucrânia ao espaço

Apesar do contratempo técnico, o voo Galactic 06 fez história ao levar a primeira mulher de nacionalidade ucraniana ao espaço. Além disso, foi a primeira vez que os quatro membros da tripulação eram clientes pagantes – até então, eram apenas três, acompanhados de um instrutor da Virgin Galactic.

Este voo também marca uma fase de transição para a empresa, que planeja aposentar sua frota atual para passar a usar novos veículos espaciais da “classe Delta”, que têm o potencial de aumentar a frequência das missões, com voos comerciais previstos para começar em 2026. 

Uma passagem a bordo do Unity atualmente custa US$450 mil – algo em torno de R$2,23 milhões, na cotação atual.