No dia 8 de abril a Lua cobrirá o Sol num Eclipse Solar Total que poderá ser visto de várias regiões da América do Norte, possibilitando que milhões de pessoas observem o fenômeno. A preparação para esse evento lembra um pouco o que aconteceu em outro eclipse que rolou por lá em 2017, no entanto, dessa vez, as coisas podem ser mais emocionantes.

Os Eclipses Solares consistem na passagem da Lua em frente ao Sol, no entanto, eles podem acontecer de diferentes formas e possibilitando diferentes visões.  

  • No anular, a Lua está mais distante da Terra, ou seja, seu diâmetro aparente é menor que  o Sol, fazendo com que ela não o cubra completamente e apareça um círculo de fogo em torno dela;
  • No total, a Lua já está mais próxima da Terra e seu diâmetro aparente é quase o mesmo do Sol, resultando em uma cobertura quase perfeita da estrela;
  • Nos eclipses parciais a Lua cobre apenas uma parte da luz solar;
  • Por fim, também existem os híbridos, que são eventos raríssimos, onde os outros três tipos de eclipses acontecem todos no mesmo dia em um mesmo lugar.

O fenômeno observado em 2017 e em 2024, são o mesmo, um Eclipse Solar Total, no entanto, as diferenças que deixam este ano mais emocionante, estão mais relacionadas ao caminho que ele percorrerá, o momento e as pesquisas científicas.

Leia mais:

publicidade

Diferenças entre o Eclipse Solar Total de 2017 e 2024

Caminho e faixa onde aconteceu o Eclipse Solar Total de 2017 em comparação com o de 2024 (Crédito: Ernest Wright/ Estúdio de Vizualização Cientifica da NASA)
Caminho e faixa onde aconteceu o Eclipse Solar Total de 2017 em comparação com o de 2024 (Crédito: Ernest Wright/ Estúdio de Vizualização Cientifica da NASA)
  • Em 2017, a Lua estava um pouco mais distante da Terra, assim a faixa onde o fenômeno pode ser observado em sua totalidade variava de 100 a 115 quilômetros de largura. No que acontece em abril, essa faixa irá variar de 170 a 200 quilômetros;
  • Essa faixa onde é possível ver o Eclipse Solar Total, em 2024, passará por cidades e áreas mais densamente povoadas, permitindo que 31,6 milhões de pessoas o vejam dessa forma, em comparação com as 12 milhões de 2017;
  • No eclipse de 2017, o período mais longo de sua totalidade aconteceu próximo a Carbondale, Illinois e durou de 2 minutos e 42 segundos. Em 2024, ele será mais longo próximo a Torreón, no México, durando cerca de 4 minutos e 26 segundos, mas durações superiores a 4 minutos também acontecerão até próximo da fronteira do Canadá, quando o eclipse durará 3 minutos e 21 segundos;
  • Outra diferença é que o ano de 2024 é mais próximo do máximo solar, onde a atividade da estrela é maior. Assim, quando a Lua cobrir o Sol, é bem provável que serpentes de fogo na coroa estelar, diferente da aparência mais simples de 2017.

Pesquisa científica em 2024

Durante o eclipse total de 2024, a NASA irá financiar diversas pesquisas científicas baseadas em pesquisas realizadas em 2017, que serão lideradas por pesquisadores de diferentes instituições acadêmicas. Usando câmaras a bordo de aviões de investigação de alta altitude, rádios amadores e outros instrumentos, os cientistas têm como objetivo estudar o Sol e sua influência na Terra.

Além disso, instrumentos lançados em 2023 a bordo de 3 foguetes de sondagem, para a observação do Eclipse Solar Anular, serão novamente lançados em abril de 2024.