Você quer manter o Windows 10? Então, prepare o bolso: a Microsoft liberou, nesta terça-feira (2), o preço para quem quiser assinar o suporte estendido às atualizações de segurança prolongadas para depois que o sistema operacional for oficialmente “deixado de lado”, em outubro de 2025.

A gigante dos softwares do Vale do Silício informou que o programa ficará disponível por três anos, sendo que, quem quiser integrá-lo mais tarde, precisará efetuar o pagamento retroativo, já que as atualizações serão cumulativas, contendo todas as correções lançadas anteriormente.

publicidade

Leia mais:

Windows 10 por mais tempo para você!

  • A Microsoft confirmou que irá cobrar US$ 61 ao ano (R$ 309, em conversão direta) por PC;
  • Administradores de TI de empresas poderão inscrever seus dispositivos com Windows 10 via chave de 25 caracteres;
  • Organizações com soluções de gerenciamento em nuvem da Microsoft terão desconto de 25%;
  • Para as que usam o Windows 365 para acessar computadores em nuvem com o Windows 11, o programa não terá custo algum;
  • Estranhamente, a Microsoft não revelou o preço do programa para pessoas físicas, visto que a empresa anunciou, no ano passado, que, pela primeira vez, usuários domésticos terão acesso às atualizações estendidas do Windows;
  • A gigante de tecnologia ressaltou, contudo, que o programa é temporário, visto que o objetivo é levar mais e mais usuários para o Windows 11, com as atualizações especiais sendo forma de dar mais tempo para preparar os dispositivos para a migração.

publicidade
Windows 10 será descontinuado em outubro de 2025 (Imagem: omihay/Shutterstock)

Fim do suporte ao Windows 10: o que isso significa?

Quando a Microsoft encerrar o suporte ao Windows 10, significará que nenhum dispositivo com o sistema operacional lançado em 2015 receberá novas atualizações, o que pode comprometer a segurança do PC e do usuário.

Dessa forma, a única maneira de seguir protegido e em dia com as atualizações é migrar para o Windows 11, que vem ganhando cada vez mais ferramentas de inteligência artificial (IA), sobretudo o Copilot.

publicidade

Usuários criticam a decisão da Microsoft em encerrar o suporte ao SO mesmo isso sendo esperado e comum. As críticas são feitas porque se estima que cerca de 240 milhões de dispositivos com Windows 10 poderão virar “lixo eletrônico”, pois ele ainda possui bem mais usuários que seu irmão mais novo.

Contudo, vale salientar que essa foi uma das críticas quando a Microsoft encerrou o suporte ao Windows XP, em abril de 2014, forçando a atualização para Windows 7, 8, 8.1 ou 10, sistemas esses que têm arquitetura bem diferente do XP, enquanto o Windows 10 tem muito mais semelhanças do que o Windows 11.

publicidade

Por outro lado, há dois pontos vitais que podem validar as críticas sobre o lixo eletrônico: o fato de o Windows 11 rodar apenas em PCs que tenham o Trusted Platform Module (TPM, da sigla em inglês) instalado e em processadores Intel da oitava geração em diante, bem como em alguns Celerons, Atoms, Pentiums e Xeons.

A lista completa de CPUs suportadas pelo mais recente SO da Microsoft pode ser acessada aqui.