Setor de tecnologia é contra veto de trabalhador estrangeiro nos EUA

Apple, Facebook, Microsoft e Twitter estão entre empresas que se mostraram contrárias à proibição temporária de Trump à emissão de vistos de trabalho no país

Guilherme Preta, editado por Fabiana Rolfini 11/08/2020 15h04
EMpresas de Tecnologia
A A A

Com a pandemia do coronavírus, muitos cargos de trabalho foram extintos em diversas empresas. Pensando em diminuir o desemprego nos EUA, o presidente Donald Trump suspendeu a emissão de vistos de trabalho no país até o fim de 2020. Agora, empresas do setor de tecnologia, como Apple, Facebook, Microsoft, Twitter e outras 48, se posicionaram contra à medida.


No anúncio da proibição, o presidente americano afirmou que manter a concessão dos vistos “representa uma ameaça significativa às oportunidades de emprego para os americanos afetados pelas extraordinárias perturbações econômicas causadas pelo surto de Covid-19”. Segundo Trump, a medida foi feita para que os americanos desempregados não tivessem que competir com estrangeiros pelos empregos escassos.

Agora, as empresas de tecnologia assinaram um documento discordando da medida. Segundo elas, a suspensão dos vistos “prejudica fundamentalmente os interesses dos EUA ao sufocar a capacidade das empresas americanas de atrair os melhores talentos do mundo, impulsionar a inovação e aumentar a prosperidade econômica americana”.

Além disso, elas disseram ter entrado com uma petição que pode, “em última análise, prejudicar os trabalhadores, as empresas e a economia dos EUA de maneira irreparável”.

ReproduçãoMedida foi anunciada em junho e é valida até o final de 2020. Foto: White House/Tia Dufour

 

Esta não é a primeira vez que a indústria de tecnologia apoia esforços para combater a proibição de vistos do governo. Em julho, várias gigantes do setor, como Facebook, Google e Microsoft, entraram com um processo contra a regra que forçava estudantes estrangeiros a deixar o país caso suas universidades adotassem aulas online exclusivamente.

No caso atual, além de Apple, Facebook, Microsoft e Twitter, HP, Intel, Dropbox, Netflix, GitHub, PayPal, Reddit e Uber também assinaram o protesto.

Tecnologia sustenta economia dos EUA

O Conselho da Indústria e Tecnologia dos Estados Unidos (ITI) divulgou na última quinta-feira (6) um relatório com dados atuais sobre o crescimento do setor de tecnologia no país, com destaque para a expansão fora dos grandes polos tecnológicos, como Califórnia e Nova York.

No Alabama, as startups representam 16% dos empregos no estado. Em Vermont, as exportações de produtos de tecnologia representam 5,5% da economia, que é uma das regiões que mais geram renda no país. “Há demanda por trabalhadores qualificados, há demanda por financiamento coletivo e até mesmo por startups de alta tecnologia em vários estados do país, não apenas nos estados que possuem os polos tecnológicos” disse o presidente e CEO do ITI, Jason Oxman.

Via: Engadget


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



Intel Microsoft Apple HP Twitter Facebook PayPal Netflix Dropbox Reddit uber estados unidos trump github Indústria de tecnologia donald trump coronavirus covid19
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você