Escócia

Energia da Escócia deve ser 100% renovável até o final deste ano

Vinicius Szafran, editado por Cesar Schaeffer 27/01/2020 18h11
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Os parques eólicos do país já são responsáveis por 76% da eletricidade consumida, percentual que deve aumentar rapidamente

Cientistas da Organização das Nações Unidas (ONU) alertaram que a maioria dos países do mundo está a caminho de comprometer todas as metas climáticas necessárias para impedir uma catástrofe total do aquecimento global. Porém, alguns estão comprometidos com a causa ambiental. É o caso da Escócia.


O país do norte do Reino Unido está no caminho de usar 100% de fontes de energia renovável até o final deste ano. Isso deve acontecer a tempo de sediar os debates internacionais da ONU sobre o clima, que ocorrerão no mês de novembro.

A organização ambiental Scottish Renewables elaborou um relatório para acompanhar o progresso das energias renováveis no país. Com base em dados reportados em 2018, a Escócia utilizou energia renovável em 76% de todo o seu consumo de eletricidade. A porcentagem deverá continuar aumentando e chegará a 100% em breve.

Esse rápido aumento no uso de fontes renováveis acontece porque, diferentemente de muitos países, a Escócia está abandonando rapidamente o uso de combustíveis fósseis. A última usina de carvão escocesa foi fechada em 2016. Resta apenas uma fonte de energia a partir de combustíveis fósseis no país, uma usina a combustão de gás em Aberdeenshire (embora mais duas usinas de turbinas a gás tenham construção prevista).

Reprodução

A Escócia vem substituindo toda essa energia poluente por renováveis. Na primeira metade do ano passado, as turbinas eólicas da Escócia forneceram energia o bastante para abastecer todas as residências do país, além de milhões de casas no norte da Inglaterra, de acordo com o WWF escocês.

O parque eólico de Beatrice, a maior fonte de energia da Escócia, é capaz de gerar energia suficiente para 450 mil residências. O país se prepara para a construção do parque eólico Seagreen, que deve começar em 2022. Quando concluído, ele deverá ser capaz de, sozinho, abastecer um milhão de residências.

O Reino Unido estabeleceu a meta de zerar suas emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050, mas a Escócia quer ser mais rápida. A meta do país é de chegar a zero até 2045, com uma redução de 75% dos níveis de 1990 já em 2030. O objetivo é zerar as emissões de todos os gases do efeito estufa, não apenas o dióxido de carbono.

Buscando o zero em emissões líquidas, a Escócia pode ainda emitir alguns gases de efeito estufa se plantar árvores e construir tecnologia de captura de carbono (uma tecnologia controversa e sem comprovação de funcionamento em larga escala).

Reprodução

No entanto, como explica a secretária de Meio Ambiente do país, Roseanna Cunningham, o governo escocês não planeja usar compensações de carbono, ao contrário de outros países.

Ainda há muito trabalho a ser feito para que o país de fato consiga zerar suas emissões líquidas. Outras fontes, como transporte, aquecimento e agricultura, ainda precisam ser resolvidas. Mesmo assim, a Escócia está muito à frente de muitos outros países e servirá como exemplo durante as negociações climáticas em novembro.

A China, maior emissora do mundo atualmente, afirmou que planeja parar de aumentar suas emissões em 2030. A Rússia, quinta maior emissora do mundo, nem ao menos estabeleceu uma meta. Já os EUA, históricamente o maior emissor de gases do planeta, por sua vez, estão saindo do acordo.

Todos deveriam prestar mais atenção na Escócia e pensar em como aplicar em seus países aquilo que vem sendo feito por lá.

Via: Gizmodo

Aquecimento global Energia meio ambiente mudanças climáticas energia renovável
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você