EnglishPortugueseSpanish

“Já tivemos picos de downloads antes, mas agora é diferente”, afirmou Pavel Durov, presidente-executivo do Telegram, em uma mensagem no app na última terça-feira (12). Nos últimos dias, dezenas de milhões de pessoas no mundo todo baixaram o Telegram e o Signal, tornando-os os dois aplicativos mais populares do mundo.

Esse aumento na procura pelo Telegram e pelo Signal é resultado de uma “tempestade perfeita” que alimentou uma desconfiança em relação a algumas das grandes empresas de tecnologia e seus aplicativos. Redes sociais, como Facebook e Twitter, removeram milhares de contas de extrema direita após a invasão do Capitólio. Amazon, Apple e Google cortaram o suporte ao Parler. E mudanças na política de privacidade do WhatsApp afastaram alguns usuários.

publicidade
Pavel Durov, fundador da rede social russa VK e do serviço de mensagens instantâneas Telegram. Imagem: Instagram/Reprodução

Assim, alternativas mais focadas em privacidade ganharam espaço. O Signal permite mensagens sejam enviadas com “criptografia ponta a ponta”, e o único dado do usuário que guarda é o número do telefone. O Telegram oferece algumas opções de mensagens criptografadas, mas é muito popular por suas salas de bate-papo em grupo, onde as pessoas podem qualquer assunto.

O resultado foi uma migração em massa que, se durar, pode enfraquecer o poder do Facebook e de outras grandes empresas de tecnologia. Na terça-feira, o Telegram disse que ganhou mais de 25 milhões de usuários em três dias – 94% deles vieram da Ásia, Europa, América Latina, Oriente Médio e Norte da África. A plataforma agora soma mais de 500 milhões de contas.

O Signal adicionou cerca de 1,3 milhão de usuários só na segunda-feira (11), quando até então tinha uma média de 50 mil downloads por dia, de acordo com estimativas da Apptopia. A maior parte veio de fora dos Estados Unidos, com o app figurando como o mais baixado em 70 países na App Store e em 45 países na Google Play.

Os efeitos da onda para Signal e Telegram

“O mundo inteiro agora parece entender que o Facebook não está construindo aplicativos para eles, o Facebook está construindo aplicativos para seus dados”, disse Moxie Marlinspike, fundador do Signal. “Foi necessário um pequeno catalisador para levar todos ao limite de fazer uma mudança”, completou.

Moxie Marlinspike, criador do Signal, já foi chefe de segurança de produto do Twitter; Imagem: Knight Foundation/Divulgação

O hype foi tanto que as ações da Signal Advance, uma pequena fabricante de dispositivos médicos, dispararam cerca de US$ 50 milhões para mais de US$ 3 bilhões. O problema é que a empresa não tem relação com o aplicativo de mensagens.

Eli Sapir, presidente-executivo da Apptopia, disse que, embora as preocupações das pessoas com a coleta de dados do Facebook sejam justas, o WhatsApp na verdade usa criptografia mais segura do que o Telegram. “É como parar de consumir algo rico em açúcar para usar xarope de milho”, disse ele, acrescentando que o Signal era o mais seguro dos três.

Carl Woog, porta-voz do WhatsApp, disse que os rumores sobre quais dados do app são compartilhados eram em grande parte infundados. “O que não está mudando é que as mensagens privadas para amigos e familiares, incluindo bate-papos em grupo, continuam protegidas por criptografia de ponta a ponta”, completou.

Via: New York Times