A Apple está testando no iOS 14.5 um novo recurso do Apple Maps que poderá informar ao usuário em tempo real o quão movimentado um ponto de interesse (como uma loja, shopping center ou restaurante) está, de forma semelhante ao que já acontece no Google Maps.

A novidade foi notada pelo site Macrumors em um beta da versão 14.5 do iOS e iPadOS, mais especificamente no texto de uma seção chamada “Location Services” (serviços de localização) nas configurações de privacidade do sistema. O trecho diz: 

publicidade

“Roteamento e tráfego: enquanto você está em trânsito (por exemplo, caminhando ou dirigindo), seu iPhone enviará periodicamente dados de GPS, velocidade de viagem e pressão barométrica de forma anônima e criptografada para a Apple, para serem usados para aprimorar bancos de dados “crowdsourced” com dados de tráfego e condições atmosféricas. Além disso, quando você abre um aplicativo próximo a um ponto de interesse (por exemplo, uma empresa ou parque), seu iPhone enviará dados de localização de forma anônima e criptografada para a Apple, que poderão ser agregados e usados para informar a outros usuários se esse ponto de interesse está aberto e quão ocupado é.”

Imagem de recurso do Google Maps que mostra em tempo real o movimento em um ponto de interesse.
Recurso do Google Maps mostra em tempo real o movimento em um ponto de interesse.

Além disso, a nova versão do iOS também recorrerá ao crowdsourcing (coleta de informações entre os próprios usuários) para informar sobre acidentes, radares e outros perigos. 

Entre outras novidades previstas para o iOS 14.5 estão a capacidade de desbloquear um iPhone, iPad ou Mac usando um Apple Watch, e a possibilidade de trocar o aplicativo de música usado pela Siri quando você pede a ela para tocar algo.

Leia mais:

A troca é relativamente simples: Siri vai perguntar qual o serviço de sua preferência. Depois, pedirá pelo acesso aos dados pertinentes ao aplicativo que você escolher e começará a tocar. A partir daí, aquele serviço será sua plataforma padrão.

Mas a mudança mais aguardada é o App Tracking Transparency (ATT) que permitirá que o usuário impeça que aplicativos rastreiam sua atividade em outros apps ou na web, limitando o acesso a um identificador único chamado IDFA (ID for Advertisers, Identidade para Anunciantes), presente em cada iPhone.

O Facebook argumenta que a mudança impactará significativamente a publicidade na web, impedindo que anunciantes segmentem o público-alvo de uma campanha ou meçam sua eficácia. A Apple discorda, e afirma que o recurso irá aumentar a privacidade dos usuários. 

Em uma conferência de privacidade de dados em Bruxelas o CEO da Apple, Tim Cook, alfinetou a rival ao declarar que “se um negócio é construído com base em enganar os usuários, na exploração de dados, em escolhas que não são escolhas, não merece nosso elogio. Isso merece desprezo”.

Fonte: Macrumors