Após um processo de financiamento de quase US$ 12 milhões, o equivalente a mais de  R$ 60,3 milhões, a startup espacial Launcher, de Hawthorne, na Califórnia, criou um veículo de transferência orbital que servirá de plataforma para transporte de pilhas de CubeSats para o espaço. 

Sede da startup americana Launcher. Imagem: Site oficial da Launcher

CubeSats são satélites miniaturizados usados para pesquisas espaciais e comunicações radioamadoras, que, normalmente, apresentam volume de 1 litro e massa de até 1,33 kg.

publicidade

Chamada Orbiter, a plataforma enviará até 330 libras (150 kg) de massa para a órbita. Inicialmente, será usada para missões “rideshare”, que enviam frotas de pequenos satélites pegando carona no lançamento de um maior a bordo de um foguete Falcon 9 da SpaceX. Segundo a Space.com, a missão de estreia do Launcher decolará a bordo de um foguete desse em outubro de 2022.

“Com a Orbiter, os desenvolvedores de pequenas constelações de satélites podem tirar proveito da cadência rápida e do preço sem precedentes do programa de compartilhamento de veículos da SpaceX para construir sua constelação com custo e prazo ideais”, declarou a Launcher em um comunicado à imprensa.

Orbiter também servirá como o terceiro estágio do Launcher Light, um pequeno foguete que a empresa espera colocar na órbita terrestre baixa em 2024. O tamanho comparativamente diminuto do foguete (15 metros) permite dedicação total a uma única missão, ao contrário do Falcon 9 da SpaceX (230 pés ou 70 metros), em que o Orbiter deve voar como um veículo compartilhado.

Launcher Orbiter encapsulado na carenagem do Launcher Light. Imagem: Site oficial da Launcher

Qualquer que seja a opção escolhida pelos clientes, a maioria dos componentes do veículo são projetados e construídos pela Launcher a “preços competitivos para seus clientes”, garantiu a empresa. 

A plataforma também pode alterar a velocidade orbital dos satélites em cerca de 0,3 milhas (500 metros) por segundo, permitindo que as máquinas subam ou desçam ligeiramente em suas órbitas.

Leia mais:

Launcher é iniciante no mercado, mas sonha alto

Max Haot, fundador e gerente executivo da Launcher, disse à SpaceNews, em 2018, que o Launcher Light tem a vantagem de otimizar o desempenho, em vez de solicitar que seus clientes façam alterações em suas cargas úteis.

“Temos uma visão de longo prazo, de 10 a 20 anos”, disse Haot na entrevista. “Não acreditamos que as pessoas que chegaram lá alguns anos antes serão as vencedoras. Acreditamos que pessoas que operam com a maior margem serão as vencedoras”.

No início de junho, a Launcher anunciou que arrecadou US$ 11,7 milhões em uma rodada de financiamento da Série A, liderada por Boost.VC e Haot, que investiu US$ 5 milhões, vendendo seu negócio de câmeras Mevo para a Logitech.

Segundo Haot, o dinheiro extra ajudará a colocar a Launcher Light em órbita, junto com o financiamento da contratação de mais 40 funcionários em 2021.

“Em comparação com nossos concorrentes, estamos no jardim de infância da arrecadação de fundos”, disse Haot à Ars Technica. “Esta é uma grande aceleração de financiamento para nós”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!