Um novo estudo publicado esta semana no portal Nature Geoscience sugere que uma forma de melhorar a distribuição de chuvas e reduzir os efeitos das mudanças climáticas é converter terras agrícolas em florestas.

Embora já esteja estabelecido que as florestas tendem a ter mais chuvas que outras regiões, os mecanismos que contribuem para isso ainda não foram totalmente explicados pela ciência.

publicidade

A evapotranspiração, por exemplo, um processo que ocorre quando as folhas das árvores emitem vapor, é algo que contribui para o aumento da umidade do ar. No entanto, segundo a pesquisa há mais coisas acontecendo.

Guarda-chuva na chuva com floresta ao fundo
Os autores do estudo afirmam que o reflorestamento seria o suficiente para aumentar as chuvas em até 7,6% ao ano na Europa. Imagem: A3pfamily/Shutterstock

Os pesquisadores trabalham com a seguinte hipótese: a rugosidade superficial das matas em comparação com as terras agrícolas influencia na turbulência do ar, o que faz com que os sistemas precipitantes permaneçam mais tempo no mesmo local.

Conforme avaliado por mapeamento via satélite, o resultado positivo na distribuição de chuvas considera a conversão de pelo menos 20% dos campos agrícolas disponíveis no continente europeu em florestas.

Leia mais:

Redução dos efeitos das mudanças climáticas

Com base no conhecimento sobre a precipitação, o estudo também aponta que adicionar mais árvores em certas áreas pode ajudar a mitigar a tendência de períodos de seca no verão, um fenômeno cada vez mais frequente à medida que o planeta fica mais quente.

“De acordo com nosso estudo, o reflorestamento levaria ao aumento da precipitação. Portanto, seria benéfico para os efeitos adversos das mudanças climáticas”, declarou o cientista ambiental Ronny Meier.

Por fim, embora ainda deixe algumas questões em aberto e os resultados sejam baseados em estimativas, os pesquisadores pedem mais atenção à influência que o uso da terra tem no clima do planeta a longo prazo.

Vale destacar que adicionar mais árvores ao meio ambiente, além de aumentar o potencial de precipitação, também é um fator diretamente relacionado à captura de carbono, aumento da biodiversidade e à melhor proteção do solo.

Fonte: Nature Geoscience

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!