Especialistas chineses e canadenses encontraram um ovo de tartaruga pré-histórica contendo um embrião fossilizado — algo incrivelmente raro de ser visto nos tempos atuais por várias razões. Segundo as estimativas, o ovo pertenceu a um animal que viveu no período Cretáceo (entre 66 milhões e 145 milhões de anos atrás), ou seja, ele deve ter convivido com os dinossauros.

A raridade se dá pelo fato de ovos fossilizados — mesmo aqueles em perfeitas condições — serem incrivelmente frágeis, portanto, muito difíceis de serem preservados. Um exemplar contendo um embrião, então, adiciona ainda mais peso ao caráter incomum da descoberta.

publicidade

Leia também

Foto mostra ovo de tartaruga pré-histórica, encontrado na China e analisado por especialistas em paleontologia
Um ovo fossilizado de tartaruga pré-histórica encontrado na China guardava um embrião – algo consideravelmente raro de ocorrer no campo da Paleontologia. Imagem: Yuzheng Ke/Divulgação

Estudos conduzidos no ovo mostraram se tratar de um embrião de uma espécie de tartaruga chamada “nanhsiungchelyids” — um animal consideravelmente grande. A descoberta do ovo em questão, aliás, é um caso de “feliz coincidência”, já que foi originalmente encontrado por um fazendeiro que notou “umas pedras engraçadas”. Uma equipe de paleontólogos associados a várias instituições científicas na China e Canadá conduziram a remoção correta e a análise posterior, publicando seu artigo conclusivo no jornal Proceedings of the Royal Society B.

O ovo tem tamanho de um metro e meio de diâmetro, e segundo técnicas de imagem em 3D usadas pelos especialistas, resguardava um embrião que não seria muito diferente das tartarugas modernas: nele, foram identificadas costelas mais achatadas e retas, condizentes com a formação de um casco (para quem não sabe: o casco da tartaruga é parte de seu esqueleto).

A diferença mais evidente fica mesmo no ovo em si: normalmente, ovos de tartaruga possuem cascas bem finas e frágeis, ao passo em que esse fóssil era mais grosso (porém frágil o suficiente para exigir manipulação extremamente cuidadosa). Isso serve como indício de que o “bebê” dentro dele poderia ser excepcionalmente forte ou contar com habilidades bem específicas, já que ele eventualmente precisaria quebrar a casca por dentro para sair.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!