Chuvas contínuas provocaram estragos no norte da China neste fim de semana. Quase 2 km quadrados de plantações foram danificadas e mais de 17 mil casas desabaram, segundo autoridades locais. Estima-se que 1,76 milhão de pessoas tiveram suas vidas afetadas pelas inundações.

Na província de Shanxi, mais de 120 mil pessoas foram temporariamente evacuadas. De acordo com o departamento provincial de emergências, 76 condados, cidades e distritos foram atingidos.

publicidade

Para abrigar os moradores, foram alocadas 4 mil tendas e 3,2 mil camas dobráveis, com roupas de cama e cobertores.

Em torno de 200 moradores da cidade de Hejin foram evacuados para uma escola primária próxima, cujas salas de aula são equipadas com ar condicionado, água quente, aparelhos de TV e camas. 

Segundo a agência meteorológica local, mais chuvas ainda estão por vir na parte sul de Shanxi, com previsão de quedas drásticas nas temperaturas.

Leia mais:

Rio da China registra maior pico de inundação em 40 anos

De acordo com a agência estatal de notícias Xinhua, autoridades provinciais reservaram 50 milhões de yuans (cerca de US$7,8 milhões, o que corresponde a mais de R$42,9 milhões) para apoiar o controle das enchentes e as obras de socorro.

No sábado (9), a Comissão Nacional de Redução de Desastres da China e o Ministério de Gerenciamento de Emergências ativaram em conjunto uma resposta de emergência de Nível 4 às enchentes em Shanxi. A província também emitiu uma resposta de emergência de Nível III para desastres naturais.

Equipes de resgate reforçam dique temporário contra a enchente na vila de Lianbo, na cidade de Hejin, província de Shanxi, norte da China. Imagem: Xinhua / Zhan Yan

A China tem um sistema de resposta de emergência de controle de inundação de quatro níveis, sendo o Nível I o mais severo.

Localizada na extremidade leste do Planalto de Loess, Shanxi costuma ser seca. No entanto, a precipitação média da província atingiu 119,5 mm desde o sábado anterior (2) até a quinta-feira (7), o que corresponde a três vezes a precipitação média normal de outubro dos anos anteriores.

Um total de 63 estações nacionais de monitoramento do clima na província viram os números da precipitação acumulada atingirem níveis recordes.

Ao longo do curso inferior do Rio Fenhe, um afluente do Rio Amarelo, o segundo maior curso de água da China, o fluxo máximo de água atingiu 1,1 mil metros cúbicos por segundo, o maior pico de inundação em quase 40 anos. Isso fez com que um dique rompesse um trecho de um rio em Hejin.

He Xin estava entre os mobilizados para consertar o dique. Suas calças e sapatos estavam todos molhados. “A enchente chegou à minha cintura. Tivemos que usar máquinas para fazer o conserto”, disse ele.

Até as 20h30 de sábado na China (9h30 da manhã deste domingo, pelo horário de Brasília), a operação de reparo ainda estava em andamento.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!