No sábado (9), toda a rede elétrica do Líbano entrou em colapso, quando as duas principais usinas de energia do país ficaram sem combustível. 

Segundo o jornal The Washington Post, durante meses, o país forneceu aos cidadãos apenas algumas horas de eletricidade por dia. No entanto, ontem, as usinas de energia estatais do Líbano, Deir Ammar e Zahrani, ficaram completamente sem óleo diesel, deixando o país inteiro sem eletricidade. 

publicidade
Apagão no Líbano: foto aérea feita por imigrante português em Beirute mostra cidade no escuro. Imagem: João Sousa, via Jornal Expresso

Neste domingo (10), a situação foi parcialmente restabelecida, com a produção de eletricidade sendo possível graças ao fornecimento de diesel pelo exército, de acordo com a Agência Brasil de notícias. 

“O Exército entregou diesel, dividido igualmente entre as centrais de Deir Ammar e Zahrani”, permitindo o fornecimento de algumas horas de eletricidade por dia”, informou o ministério de energia do país em comunicado.

Para resolver a situação, além da ajuda do exército, o governo libanês está tentando obter combustível de emergência de outras possíveis fontes, até que o país receba e distribua um carregamento de petróleo do Iraque.  

Leia mais:

Corrupção e colapso econômico no Líbano desencadeiam crise energética

Ainda segundo o The Washington Post, no pano de fundo de tudo isso estão as circunstâncias desoladoras que vêm cercando o Líbano. O sistema bancário do país entrou em colapso em 2019, deixando muitos dos cidadãos do país na pobreza. O Banco Mundial descreveu o país como um dos maiores colapsos financeiros do mundo nos últimos 150 anos.

Já faz décadas que o país é incapaz de fornecer eletricidade 24 horas por dia para seus cidadãos. A corrupção e o colapso econômico do país só pioraram a situação. 

“É drástico, e tem sido drástico por um tempo”, disse o ministro de energia do Líbano, Walid Fayyad. “Com algumas horas por dia, as pessoas só podem cuidar de suas necessidades básicas e, claro, é melhor do que nada, mas a situação é terrível e precisamos de mais do que algumas horas por dia”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!