Oficiais da Nasa afirmam que os EUA precisam investir em espaçonaves nucleares se quiserem vencer seus rivais geopolíticos na disputa pela presença humana em Marte. Como principal concorrente, eles destacam a China, que vem investindo pesado em tecnologias espaciais.

De acordo com a United Press International, as declarações foram dadas durante uma audiência da Comissão de Ciência, Espaço e Tecnologia da Câmara dos Representantes dos EUA, que aconteceu na quarta-feira (20). 

publicidade
China está investindo pesado em tecnologias espaciais, principalmente em propulsão nuclear, e Nasa pede que os EUA façam o mesmo. Imagem: Anton_Medvedev – Shutterstock

Na reunião, eles também solicitaram aos legisladores que investissem recursos na pesquisa e no desenvolvimento de foguetes movidos a energia nuclear, que permitiriam aos humanos chegar a Marte em apenas três a quatro meses – metade do tempo que levaria para foguetes tradicionais de propulsão química. 

Leia mais:

EUA x China: investimento em energia nuclear garante vantagem ao país oriental

“Nossos concorrentes estratégicos, incluindo a China, estão de fato investindo agressivamente em uma ampla gama de tecnologias espaciais, incluindo energia nuclear e propulsão para cumprir suas ambições de presença lunar humana sustentada, bem como missões científicas marcianas e espaciais profundas”, afirmou o conselheiro sênior da Nasa para Orçamento e finanças, Bhavya Lal, acrescentando que “os EUA precisam se mover em um ritmo rápido para se manter competitivos e permanecerem um líder na comunidade espacial global”.

Tudo isso aconteceu depois que a China supostamente testou um míssil com capacidade nuclear hipersônica que pegou autoridades americanas de surpresa. Embora Pequim tenha sido rápida em negar as alegações, alguns ainda veem nisso um “momento Sputnik” porque a inteligência dos EUA aparentemente subestimou o progresso do país, como aconteceu no passado em relação ao programa espacial soviético.

De acordo com o site Futurism, o Congresso e a Nasa declararam que querem levar humanos a Marte até 2033. No entanto, Roger Myer, copresidente do Comitê de Tecnologias de Propulsão Nuclear Espacial nas Academias de Ciências, jogou água fria nesse objetivo, dizendo que a viagem humana a Marte é “provavelmente inalcançável em 2033”.

Enquanto isso, as autoridades chinesas estabeleceram essa mesma meta como data limite para enviar taikonautas a Marte. Tomando por base as declarações de Lal, a China está no caminho certo para chegar lá nesse prazo se continuar investindo em propulsão nuclear.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!