Uma pesquisa publicada na revista Ecology Letters mostra que os humanos tiveram um papel significativo no processo de extinção dos mamutes lanosos na Eurásia.

De acordo com a equipe internacional de cientistas liderada por pesquisadores da Universidade de Adelaide (Austrália) e da Universidade de Copenhagen (Dinamarca), um caminho de 20 mil anos foi percorrido para a extinção da espécie.

publicidade

“Nossa pesquisa mostra que os humanos foram um condutor crônico e crucial do declínio populacional de mamutes lanosos, tendo um papel essencial no momento e no local de sua extinção”, disse o autor principal do estudo, Damien Fordham, professor associado do Instituto Ambiental da Universidade de Adelaide.

Em áreas com baixa densidade humana, os mamutes lanosos sobreviveram por mais tempo, diz pesquisa. Imagem: Aunt Spray – Shutterstock

Homem acelerou extinção da espécie em até 4 mil anos

“Usando modelos de computador, fósseis e DNA antigo, identificamos os próprios mecanismos e ameaças que foram essenciais no declínio inicial e posterior extinção do mamute lanoso”, revelou Fordham.

Segundo o site Phys, os pesquisadores enfatizam que o caminho para a extinção do mamute lanoso foi longo e duradouro, começando muitos milênios antes do evento de extinção final.

Assinaturas de mudanças anteriores na distribuição e demografia de mamutes lanosos identificados a partir de fósseis e DNA antigo mostram que as pessoas apressaram a extinção desses animais em até 4 mil anos em algumas regiões.

“Sabemos que os humanos exploraram os mamutes lanosos para obter carne, peles, ossos e marfim”, disse o pesquisador. “No entanto, até agora, tem sido difícil separar os papéis exatos que o aquecimento climático e a caça humana tiveram em sua extinção”.

Leia mais:

Áreas com pouca densidade humana mantiveram mamutes por mais tempo

O estudo também mostra que os mamutes lanosos provavelmente sobreviveram no Ártico por milhares de anos a mais do que se pensava, existindo em pequenas áreas de habitat com condições climáticas adequadas e baixa densidade de humanos.

“Nossas análises fortalecem e resolvem melhor o caso do impacto humano como um fator de declínio populacional e colapso de alcance da megafauna na Eurásia durante o final do Pleistoceno”, disse David Nogues-Bravo, professor associado da Universidade de Copenhagen, coautor do estudo.

“Isso também refuta uma teoria prevalente de que as mudanças climáticas por si só dizimaram as populações de mamutes lanosos e que o papel dos caçadores humanos se limitou a dar o golpe de misericórdia”, explicou. “E mostra que as extinções de espécies são geralmente o resultado de interações complexas entre processos ameaçadores”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!