Tenistas que não se vacinaram contra a Covid-19 não poderão disputar o Australia Open, ou Aberto da Austrália, de 2022. A decisão foi divulgada por Craig Tiley, diretor do tradicional torneio de tênis. A competição acontece entre os dias 17 e 30 de janeiro, em Melbourne, com a presença do público.

Inicilmente, havia uma certa contradição por causa das decisões de líderes políticos do país, mas aorganização do Australia Open acabou definindo a obrigatoriedade da imunização. O que acaba colocando em dúvida a participação do sérvio Novak Djokovic.

publicidade

Leia mais:

Atual dono do título entre os homens, o tenista de 34 anos afirmou que não quer revelar publicamente se tomou ou não a vacina contra a Covid-19. “Novak sabe que terá que ser vacinado para jogar. Adoraríamos tê-lo aqui”, disse Craig Tiley.

No mês de outubro, o tenista sérvio avisou que não sabia se ia poder competir até que Tiley tomasse uma decisão. Esta semana, ele voltou a comentar o assunto.

Até agora, 80 dos 100 melhores tenistas do ranking tomaram a vacina contra a Covid-19. Imagem: Shutterstock

“A liberdade de escolha é essencial para cada um, não somente para mim ou outra pessoa, não importa. Seja sobre vacina ou qualquer coisa na vida, você deveria ter a liberdade de escolher, decidir o que quer fazer nesse caso particular, o que colocar em seu corpo”, comentou Novak Djokovic.

Até agora, de acordo com a BBC, 80 dos 100 tenistas do topo do ranking já tinham tomado a vacina contra a Covid-19. O ranking feminino ainda não foi confirmado. Diferente do Aberto da Austrália masculino, a WTA afirmou que todas as jogadoras poderão ir para a competição caso comprovem em teste negativo feito até 72 horas antes da viagem.

Via: BBC

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!