Embora possa parecer estranho para alguns, muitas pessoas só conseguem dormir se estão com a TV ligada, emitindo luz ou som para ser uma companhia na hora de pegar no sono. Porém, estudos demonstraram que esse hábito pode ser bem ruim para ter um descanso adequado.

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Salzburg, na Áustria, analisou a atividade cerebral de pessoas que têm o hábito de dormir com a TV ligada. Segundo a equipe, durante o sono, nosso cérebro se atenta mais a sons desconhecidos, como um mecanismo de defesa contra ameaças surpresa.

publicidade

Manter a TV ligada durante o sono dificulta o descanso do nosso cérebro, o que torna mais difícil conseguir movimentos rápidos dos olhos durante a primeira fase do sono. Durante os estudos, os pesquisadores austríacos mediram a atividade cerebral de adultos em resposta a sons familiares e desconhecidos.

Dormimos em alerta

Nos mantemos em estado de alerta, mesmo quando estamos dormindo. Créditos: Shutterstock

Mesmo com os olhos fechados, o cérebro segue monitorando o que está acontecendo em nosso entorno enquanto dormimos. Esse mecanismo é o que nos permite distinguir, por exemplo, a voz de quem está nos chamando ou o som do despertador na hora que precisamos acordar.

Os especialistas defendem que essa característica pode ser rastreada até fases bastante primordiais do nosso processo de evolução. Porém, o som vindo de uma TV ligada na hora de dormir impede uma boa noite de sono, já que o nosso cérebro permanece em estado de alerta máximo.

Leia mais:

Para realização dos estudos, os pesquisadores analisaram os dados de 17 voluntários, sendo 14 homens e três mulheres com média de idade de 22 anos. Os pesquisadores mediram diversas informações como ondas cerebrais, respiração, tensão muscular, movimentos e atividade cardíaca.

Aprendemos vozes estranhas

Enquanto dormiam, os voluntários receberam estímulos auditivos de uma TV ligada. Os sons eram palavras ditas por vozes familiares, como as dos pais e irmãos, e vozes desconhecidas. Os pesquisadores descobriram que os sons desconhecidos aumentavam a produção de compostos K.

Esses compostos são uma espécie de onda cerebral que está associada a distúrbios sensoriais durante o sono. Contudo, à medida que os sons vindos da TV que estava ligada se tornavam mais familiares, o estado de alerta diminui, o que sugere que nós realmente podemos aprender durante o sono.

Via: The Daily Guardian

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!