Machu Picchu está entre os sítios arqueológicos mais reconhecidos do mundo. Símbolo duradouro do Império Inca, é também uma das atrações mais visitadas da América Latina e fica no coração da indústria turística peruana.

Visão panorâmica da cidade de Machu Picchu, no Peru. Pesquisadores dizem que esse nome está errado. Imagem: Fotystory – Shutterstock

No entanto, antes que o explorador norte-americano Hiram Bingham tornasse pública a existência da cidade em 1911, com a orientação de fazendeiros indígenas locais, as ruínas eram pouco conhecidas – mesmo entre aqueles que viviam na região de Cusco, no Peru.

publicidade

Mais de 110 anos após a primeira visita de Bingham ao local, o historiador Donato Amado Gonzalez, do Ministério da Cultura do Peru, e o arqueólogo Brian S. Bauer, da Universidade de Illinois em Chicago (UIC), revisaram suas notas de campo originais, mapas do início do século 20 da região e documentos fundiários centenários de diferentes arquivos. Suas descobertas sugerem que se sabia menos sobre o local do que se pensava.

Em seu artigo, publicado por Ñawpa Pacha: Journal of Andean Archaeology, os pesquisadores concluem que os incas o chamavam originalmente de Huayna Picchu, para o cume rochoso que fica mais próximo do local, e não Machu Picchu, que é o nome da montanha mais alta perto da cidade antiga.

Leia mais:

“Começamos com a incerteza do nome das ruínas quando Bingham as visitou pela primeira vez e depois revisamos vários mapas e atlas impressos antes da visita de Bingham às ruínas”, disse Bauer, professor de antropologia da UIC. “Há dados significativos que sugerem que a cidade inca realmente se chamava Picchu ou, mais provavelmente, Huayna Picchu”.

Os pesquisadores descobriram que as ruínas de uma cidade inca chamada Huayna Picchu são mencionadas em um atlas de 1904 que foi publicado sete anos antes de Bingham chegar ao Peru. 

Além disso, eles detalham que Bingham foi informado em 1911 de ruínas chamadas Huayna Picchu ao longo do rio Urubamba antes de deixar Cusco para procurar fósseis. Depois, o filho de um proprietário de terras disse ao explorador norte-americano, em 1912, que as ruínas se chamavam Huayna Picchu.

De acordo com Bauer, as conexões mais definitivas com o nome original da cidade inca são preservadas em relatos escritos por espanhóis logo após a região estar sob seu controle, no final do século 16.

“Terminamos com um relato impressionante do final do século 16, quando os indígenas da região pensavam em retornar para reocupar o local que chamavam de Huayna Picchu”, disse ele.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!