Dentro de pouco tempo, a cápsula Starliner, feita pela Boeing em cumprimento a um contrato com a NASA, vai encerrar sua missão de teste não tripulada à Estação Espacial Internacional (ISS), com um pouso de paraquedas no Novo México.

Segundo a agência espacial norte-americana, a espaçonave está programada para partir do laboratório orbital na quarta-feira (25), às 15h36 (pelo horário de Brasília), chegando no Campo de Teste de Mísseis White Sands (WSMR), do Exército dos EUA, às 17h49 do mesmo dia. Caso haja algum imprevisto, uma oportunidade de pouso reserva estará disponível na sexta-feira (27).

publicidade

Assim como todo o processo de decolagem até a abertura das escotilhas, o retorno à Terra também será transmitido em tempo real no site da NASA, no app e no canal da agência no YouTube. 

Equipe do WSMR se preparando para o pouso da cápsula Starliner

A espaçonave chegou à ISS na sexta-feira (20), pouco mais de 24 horas depois do lançamento do OFT-2 (sigla em inglês para Teste de Voo Orbital-2), uma missão não tripulada projetada para demonstrar que a Crew Space Transportation 100 Starliner (CST-100) está pronta para transportar astronautas para o laboratório orbital e trazê-los de volta à Terra. 

Contratada pela NASA em 2014, até agora a Boeing ainda não prestou esses serviços para a agência. Um acordo semelhante foi fechado com a SpaceX, que já lançou quatro voos operacionais tripulados para a estação com seu foguete Falcon 9 e cápsula Dragon.

Vídeo divulgado no Twitter da Boeing mostra um pouco do interior da cápsula Starliner

Leia mais:

Starliner enfrentou problemas durante o voo e o acoplamento na ISS

O acoplamento com o laboratório orbital, que estava programado para às 20h10 (pelo horário de Brasília), acabou acontecendo às 21h28. Isso porque, pouco antes das 18h50, quando a espaçonave estava a 180 metros de distância da ISS, os controladores avaliaram os dados de rastreamento e desempenho da cápsula e acreditaram que ela estaria em uma posição inadequada, precisando fazer uma manobra de recuo.

Segundo a Boeing, isso foi oportuno para demonstrar a capacidade de controle de manobra da espaçonave.

Às 20h52, depois de informarem uma nova previsão para a cápsula atracar no posto avançado às 21h01, os controladores relataram “um pequeno problema” com o sistema de acoplamento, o que adiou ainda mais o processo, pois foi necessário retirar o anel de acoplamento da Starliner e redefini-lo para sanar o problema.

Além disso, durante o processo de inserção em órbita, pouco mais de meia hora depois da decolagem, dois dos propulsores da espaçonave não dispararam como esperado. O primeiro falhou depois de apenas um segundo. Seu backup imediatamente foi acionado, mas também apresentou falha, após 25 segundos. Isso ativou um backup terciário do grupo de propulsores, e a cápsula foi capaz de completar a queimadura crucial sem mais incidentes.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!