A Sony divulgou nesta quarta-feira (24) que, devido ao sucesso de The Last of Us, da HBO Max (agora só Max), as vendas da versão remake do jogo em qual a série se baseia foram fortemente impulsionadas, tornando o último lançamento do título um case de sucesso e de destaque no grupo. 

Podemos ver muito, muito claramente que toda vez que um episódio daquele programa sai, as vendas do jogo aumentam dramaticamente.

Jim Ryan, CEO da Sony Interactive Entertainment, em um briefing para investidores.

Leia mais! 

The Last of Us Part I, o remake lançado em 2022, foi disponibilizado pela Sony para PC em março deste ano, mais um passo rumo ao seu esforço para diversificar além dos consoles.  

O game já vendeu quase 400 milhões de cópias apenas na versão para computador e alcançou uma receita de US$ 15 milhões em apenas um mês de comercialização — a Sony ainda espera que a receita da franquia em PCs atinja US$ 450 milhões no atual ano financeiro, uma ascensão surpreendente em comparação com os US$ 80 milhões de dois anos antes. 

publicidade

Nosso negócio de PC já é um contribuidor de lucro significativo.

O sucesso do jogo é uma vitória para a Sony que, de forma estratégica, traçou planos em diferentes linhas de negócios após sua transformação de fabricante de eletrônicos em gigante do entretenimento, dando espaço não apenas para jogos, mas música e filmes. 

The Last of Us 

A franquia de jogos The Last of Us foi originalmente lançada em 2013. A série desembarcou na HBO Max em janeiro deste ano e rapidamente se tornou uma das mais importantes para o streaming, com o pico de audiência de cada episódio aumentando toda semana.  

O episódio final da série alcançou um recorde quando comparado a todos os outros, sendo assistido por 8,2 milhões espectadores entre o canal HBO e plataformas digitais. Veja aqui a audiência de cada episódio. 

The Last of Us foi renovada para uma segunda temporada, que deve sair entre 2024 e 2025 — sem considerar os atrasos pela greve dos roteiristas, que recentemente paralisou a produção

Com informações da Reuters

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!