Pesquisadores da Weill Cornell Medicine, nos EUA, estão testando novo tratamento experimental que pode levar à cura do diabetes tipo 1 e das formas mais graves do tipo 2.

O experimento trata-se de transplante de células-tronco do estômago de um ser humano, permitindo o controle normal dos níveis de açúcar no sangue. Com o transplante, o uso de insulina seria desnecessário.

Leia mais:

  • Até agora, houve somente prova de conceito do possível tratamento, publicado na Nature Cell Biology;
  • Em testes pré-clínicos, realizados especialmente em camundongos diabéticos, a equipe obteve resultados promissores;
  • Se os testes derem mesmo certo, a forma como a medicina lida com a doença seria mudada para sempre.

Diferenças entre diabetes tipos 1 e 2

A diabetes tipo 1 se caracteriza por desregular o sistema imune, que destrói as células beta. Já o tipo 2 grave se dá quando há poucas células para muito açúcar. Em ambos os casos, é necessário aumentar a capacidade do sistema.

publicidade

Tratamento experimental

  • As células do corpo do próprio paciente seriam as utilizadas;
  • Por meio de uma endoscopia, os médicos coletariam células-tronco do estômago do paciente;
  • Na sequência, as células são reprogramadas para serem semelhantes às pancreáticas secretoras de insulina, chamadas de betas;
  • Cultivadas em laboratório e transplantadas, as novas células, em tese, agem eficazmente no controle do açúcar e substituem o grupo que já não conseguia mais cumprir a função.

Os cientistas entendem que não haverá problemas de compatibilidade e rejeição, pois o material biológico seria do próprio paciente – ao menos, isso foi observado nos roedores.

Os testes indicaram que os roedores responderam bem ao tratamento, com as novas células secretando insulina corretamente ao identificar aumento de açúcar no sangue.

Foram seis meses de testes, período no qual a estratégia sempre funcionou e se revelou grande chance de ser cura para a diabetes, apesar da necessidade de mais testes.

Com informações de Nature Cell Biology e Weill Cornell Medicine

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!