Prós
  • Política de atualização da Samsung é excelente
  • Fotos bacanas
  • Desempenho consistente e bom
Contras
  • Consumo de energia é elevado
  • Sem proteção contra água
  • Deveria custar menos que o Galaxy A34

No final de setembro deste ano a Samsung trouxe para o Brasil uma alternativa para quem busca um celular com muita, mas muita bateria e ele atende pelo nome de Galaxy M34. O dispositivo é um intermediário mais simples, que promete fazer bem o básico ao trabalhar com chip Exynos feito em casa.

Leia também

Ele tem três câmeras na traseira, aquele visual que foi inaugurado com os Galaxy S23 e segue firme e forte dando destaque para as lentes, além de mais economia por ser vendido exclusivamente em meios digitais – sejam eles da própria Samsung, ou em parceiros do varejo.

Eu passei os últimos dias com o Galaxy M34 no bolso e conto minha experiência nos próximos parágrafos deste review.

publicidade

Design já conhecido em outros Galaxy

Por fora o Galaxy M34 não tenta trazer nada de novo, não reinventa qualquer acabamento ou promete algo premium demais. Ele é básico e com aquela cara de Galaxy A que vem chegando desde o começo de 2023. Como o propósito deste celular é ser mais econômico, não me incomoda a falta de originalidade.

Em materiais você tem plástico na traseira, mas não aquele ruim como do Kwid. A sensação é de bom produto, com reflexo capaz de enganar algumas pessoas que vão achar que estão olhando para um vidro. Enfim, o alinhamento de câmeras na vertical lá do Galaxy S22 e S23 está aqui e ele dá o devido destaque para as lentes, pois nelas há mais brilho.

Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Um ponto negativo é a ausência total de qualquer proteção contra líquido e poeira para além do mais básico possível. Eu entendo que pouquíssimas pessoas mergulham com o celular, mas é importante resistir ao menos ao correr de água da torneira, quando você suja o smartphone sem querer e precisa limpar rápido.

Ao menos a pegada é confortável por conta das bordas mais arredondadas, encaixando muito bem nas mãos.

A tela é uma Super AMOLED de 6,5 polegadas, com atualização de 120 Hz, mas ela não circula entre 60 Hz e o limite. Você escolhe se quer mais suavidade e gasta mais energia da bateria para isso, ou se economiza um pouco e deixa animações menos fluidas. Tudo manual, dependendo da sua ação.

Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Ao menos as cores são muito bem representadas, até por conta da tela Super AMOLED que tende a ser a melhor do mercado em qualquer segmento. ngulos de visão são generosos e aberrações cromáticas quase inexistentes.

Câmeras para o básico e um pouco além

Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Mesmo com três câmeras na traseira, o Galaxy M34 tem apenas duas opções na hora de fotografar. O sensor principal tem 50 megapixels, o secundário faz ultrawide com 8 megapixels e o terceiro está lá só para medir a distância para o modo retrato. A interface do app nativo mostra uma terceira opção para zoom, mas ele é totalmente digital ao cortar a resolução nativa pela metade – funciona, mas evite.

Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Não é de hoje que a Samsung acerta em câmeras mesmo em modelos menos pomposos e o Galaxy M34 segue essa receita. Fotos feitas com a câmera principal e a ultrawide, desde que com boa iluminação, ficam boas até para imprimir e fazer como os antigos ao colocar em um álbum físico com plástico segurando as imagens.

Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

As cores são bem representadas, o degradê do céu é respeitado e eu não notei qualquer color bending, o alcance dinâmico trabalha os extremos ao deixar luzes e áreas iluminadas mais atenuadas e os cantos escuros mais claros. Tudo isso sem tornar a experiência nada natural, sabe?

Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Em ambientes escuros o modo noturno automático entra em ação e ele compensa a lente menos clara para qualquer uma das câmeras. Claro que você terá resultados melhores em um Galaxy A54 da vida, ou um S23, mas o M34 não está tantos degraus atrás. Eu sinto que ele quase empata com outros modelos mais caros da linha A e isso é bom para o usuário – mas ele tem qualidade inferior ao A34, por exemplo.

Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera principal do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Em alguns momentos é possível confiar no modo noturno automático da câmera para a lente principal, mas na secundária você precisa sim ativar este recurso. Imagens sem ele ficam muito, mas muito ruins. Cheias de ruídos, sujeira, detalhes se perdem, cores ficam desbotadas.

Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Foto com a câmera ultrawide do Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

É ligar o modo noturno e 80% destes problemas são resolvidos ao segurar o aparelho firme por alguns segundos. Use e abuse na lente ultrawide!

Desempenho básico, também com um degrau extra

Por dentro temos o Exynos 1280, o mesmo chip presente nos A33 e A53. Ter o componente que estava na geração passada de um modelo em segmento acima é ótimo para o usuário. Este processador lida bem com o básico do Android e dá fôlego para abrir apps de forma muito rápida até agora.

É possível abrir jogos pesados? Sim e são poucos os que vão reclamar com engasgos ou travamentos. O que me deixa mais animado nem é a parte de games, mas a sensação de que o Galaxy M34 deve seguir assim, com força bacana, por uns dois ou três anos. Com isso o smartphone pode acompanhar a excelente política de atualização do Android adotada pela Samsung.

Galaxy M34 (Imagem: reprodução/Olhar Digital)
Galaxy M34 (Imagem: reprodução/Olhar Digital)

O Galaxy M34 já vem com Android 13 instalado de fábrica e ele será atualizado até a versão 17, com cinco anos recebendo correções de segurança. Assim você continua utilizando o aparelho sem tantos riscos e não vê ele ficando cada vez mais lento. Vai perder desempenho em dois anos? Vai, mas imagino que não ao ponto de tornar a experiência negativa.

Bateria é grande, mas…

Certamente o maior chamariz do Galaxy M34 é a bateria, com 6.000 mAh. Este é um número nada comum nos smartphones, mas que vez ou outra aparece em um celular dessa família – que saudade do Galaxy M51 e seus absurdos 7.000 mAh!

Eu consegui finalizar um dia inteiro apenas usando o Galaxy M34, com cerca de 55% da bateria ainda no tanque. Foi o suficiente para seguir no segundo dia e finalizar ele com o modo de economia de carga ativado de forma automática. Eu esperava mais, pensei em alcançar o terceiro dia até por conta do meu uso não ser dos mais intensos.

Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Meu dia envolve duas horas de podcasts, três horas de vídeo no YouTube, brilho no automático, bastante rede social (em vídeo, né TikTok), Telegram, WhatsApp, Microsoft Teams e meia horinha de jogo, com algum GPS ativado para encontrar o endereço de um evento.

Enfim, se na eficiência energética o Galaxy M34 não é um primor, na recarga ele também não brilhou. Precisei de quase duas horas e 30 minutos de tomada para recompor toda a energia da bateria, com o adaptador incluso na embalagem e envia apenas 15 watts – o Galaxy M34 suporta até 25 watts. Poderia ser um ponto neutro, mas tem intermediário concorrente fazendo o mesmo em menos da metade do tempo.

Galaxy M34: vale a pena?

Eu gostei do conjunto. O Galaxy M34 é robusto, confortável nas mãos, tem câmeras que cumprem bem o papel de fotos nada muito elaboradas, o desempenho está dentro do esperado, mas eu jurava que a bateria seguraria mais tempo longe da tomada. Depois, nela, a recarga leva algumas horas e isso não é bom.

Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Galaxy M34 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

O problema do Galaxy M34 é a concorrência, que no Brasil é com a própria Samsung. Eu encontro fácil o Galaxy A34 pelo mesmo preço e ele tem acabamento, desempenho, memória, câmera e eficiência energética superiores, além de utilizar leitor biométrico no display.

Ele é óptico e eu sempre prefiro ele na lateral, como é no Galaxy M34, mas colocar abaixo da tela dá a sensação de ser mais moderno para o cliente, entende? Com isso o smartphone só vale a pena se ele custar menos que o Galaxy A34 e no momento da publicação desse review, não é o caso.

Galaxy M34: ficha técnica

Tela:Super AMOLED de 6,5 polegadas
2.340 x 1.080 pixel
120 Hz
Brilho máximo de 1.000 nits
Processador:Exynos 1280 (5 nm)
Octa-core (2×2,4 GHz Cortex-A78 e 6×2 GHz Cortex-A55)
GPU:Mali-G68
RAM:6 GB
Memória:128 GB
Câmeras traseiras:Principal: 50 MP f/1.8
Macro: 8 MP f/2.2
Profundidade: 2 MP f/2.4
Câmera frontal:13 MP f/12.2
Sistema Operacional:Android 13 com One UI 5.1
Conexões:Wi-Fi 5 (2,4 GHz e 5 GHz)
Bluetooth 5.3 (A2DP, LE)
USB-C (2.0)
NFC
GPS, GLONASS, GALILEO, BDS
Bateria:6.000 mAh
Carregamento rápido de 25 watts
Carregador incluso na embalagem (15 watts)
Outros:Leitor de impressões digitais (lateral)
Dimensões:161,7 x 77,2 x 8,8 mm
Peso:208 gramas
Nossa avaliação
Nota Final
7.5
  • Desempenho
    7.0
  • Design
    7.0
  • Câmeras
    8.0
  • Bateria
    8.0
  • Sistema/Interface
    9.0
  • Tela
    8.0
  • Conectividade
    9.0
  • Resistência
    6.0

Aviso: este artigo contém um ou mais links no preço do produto, que foram gerados a partir de um programa de afiliados. O valor não muda para você e o Olhar Digital poderá receber uma comissão. Nenhuma empresa participou da escolha para os links e não existiu aprovação prévia deste conteúdo, que segue independente como sempre foi.