Uma das maiores empresas do mundo, a montadora de carros elétricos Tesla, do bilionário Elon Musk, pode engrossar a lista de demissões em 2024.

O temor aumentou bastante nas últimas horas, após a divulgação de uma reportagem da Bloomberg.

De acordo com a TV, gerentes de diversas áreas da Tesla foram questionados sobre a real importância de cada um de seus funcionários.

A companhia também cancelou recentemente a avaliação semestral de desempenho de alguns contratados, aumentando ainda mais as preocupações sobre um corte.

publicidade

Leia mais

A agência internacional de notícias Reuters entrou em contato com a montadora, mas não obteve resposta.

Em dezembro do ano passado, a Tesla empregava 140.473 funcionários em todo o mundo.

As informações são da Reuters.

Desaceleração em 2024

  • Algo que também fez aumentar o temor por demissões na Tesla foi a declaração recente de Elon Musk de que o volume de vendas da empresa desaceleraria neste ano.
  • A frase do mês passado fez com que a companhia perdesse US$ 50 bilhões em valor de mercado em poucas horas.
  • O bilionário, no entanto, foi realista.
  • Outras empresas do setor também estão projetando ganhos menos robustos em 2024, uma vez que o mercado deu uma estabilizada.
  • Some isso ao crescimento exacerbado das montadoras elétricas chinesas, que continuam produzindo em larga escala – e com preços mais competitivos.
  • O próprio Musk falou recentemente sobre o assunto, quando sugeriu a criação de barreiras comerciais aos asiáticos.
  • Fato é que a BYD já começou a incomodar a liderança da Tesla no segmento.
  • Em dezembro do ano passado, pela primeira vez na história, a chinesa ultrapassou a companhia americana nas vendas de um trimestre.
  • E a curva continua positiva para a BYD, que registrou uma alta de 50% em janeiro deste ano, com as exportações ganhando destaque.

Onda de demissões

As montadoras demitiram muito menos que as empresas de tecnologia nos últimos anos.

As recentes ondas de cortes, no entanto, ainda assustam o mercado internacional. Tanto que existe até um site para acompanhar os desligamentos em tempo real.

É o layoffs.fyi.

Em 2022, por exemplo, as techs demitiram 165 mil pessoas. Já em 2023, o número escalou para 262 mil.

Antes, essas demissões aconteceram em um cenário pós-pandemia (a fase crítica, pelo menos), com os empresários projetando uma desaceleração da demanda, além dos temores de recessão e do aumento dos juros.

Agora em 2024, o perfil dos cortes mudou um pouquinho: as empresas querem mais desempenho e vão gastar o dinheiro de forma mais focada.

No caso da Tesla, Elon Musk deve se adequar ao desaquecimento do mercado.

Ele, ao mesmo tempo, já pensa no próximo passo. Indicou recentemente que está se concentrando em um veículo elétrico de próxima geração a ser produzido na fábrica da companhia no Texas, nos Estados Unidos.

De acordo com ele, o novo modelo deve desencadear o próximo boom nas entregas quando for lançado, no segundo semestre de 2025.