Superando as expectativas dos executivos, a plataforma de streaming Disney+ ultrapassou 100 milhões de assinantes pagos, após apenas 16 meses do seu lançamento. O anúncio do novo marco foi feito pelo CEO da Disney, Bob Chapek, durante a reunião anual de acionistas da empresa.

“O enorme sucesso da Disney+ – que já ultrapassou 100 milhões de assinantes – nos inspirou a ser ainda mais ambiciosos e a aumentar significativamente nosso investimento no desenvolvimento de conteúdo de alta qualidade”, disse Chapek.

publicidade
WandaVision
‘WandaVision’. Imagem: Marvel Studios/Divulgação

A popularidade do serviço – e do seu conteúdo exclusivo, como as séries ‘The Mandalorian’ e ‘WandaVision’ – motivou a companhia a estabelecer como meta a produção de mais de 100 novos títulos por ano. Isso inclui Disney Animation, Disney Live Action, Marvel, Star Wars e National Geographic. “Nosso negócio direto ao consumidor é a principal prioridade da empresa, e nosso um canal robusto de conteúdo continuará a impulsionar seu crescimento”, completou o executivo.

Em janeiro, a plataforma Disney+ já tinha atingido a marca de 95 milhões de assinantes ao redor do mundo, como divulgado no relatório de lucros da empresa no primeiro trimestre de 2021. Os dados já indicavam um rápido aumento no número de clientes, já que em um anúncio realizado no Dia do Investidor, em dezembro de 2020, a empresa informou aos acionistas que possuía 86 milhões de assinantes.

the mandalorian, atração do disney+
The Mandalorian (Pedro Pascal) e Grogu em cena de “The Mandalorian”. Imagem: Lucasfilm

Para a Digital TV Research, o Disney+ deve ultrapassar a Netflix até 2026. Segundo a empresa de análises de mercado, a projeção é que a plataforma do Mickey chegue a 294 milhões de usuários em cinco anos, mais do que os 286 milhões esperados para a concorrente.

“No entanto, Disney+ terá apenas mais assinantes do que Netflix em um país – Índia: 98 milhões contra 13 milhões para Netflix”, destacou o relatório. A previsão de receita global da Disney+, porém, é de US$ 20,76 bilhões até 2026, metade dos US$ 39,52 bilhões de faturamento esperados pela Netflix.

Em um ano, os serviços de streaming direto ao consumidor da Disney cresceram 73%, alcançando uma receita de US$ 3,5 bilhões (cerca de R$ 19 bilhões). Porém, existem números que caíram, como a receita média mensal por assinante, que, atualmente, é de US$ 4,03 (equivalente a R$ 21,63 na cotação atual), muito por conta Disney Plus Hotstar, plano mais barato disponível na índia e na Indonésia.

Meta original

A meta original da Disney para o seu serviço de streaming era de 90 milhões de assinantes em quatro anos, porém, ao alcançar este número em um pouco mais de um ano, a casa do Mickey revisou seu plano para 2024 e agora pretende alcançar algo entre 230 e 260 milhões de assinantes neste período. 

O streaming foi um dos motivos para que a Disney tivesse resultados positivos em 2020, mesmo com uma queda de mais de 20% em um ano por conta dos impactos da pandemia da Covid-19, que manteve os parques fechados e não permitiu que os navios de cruzeiro da empresa pudessem zarpar, a receita da empresa foi de US$ 16,25 bilhões (em torno de R$ 87 bilhões). 

A plataforma anunciou dezenas de filmes e séries originais em andamento, muitos dos quais exclusivas para o streaming. Dez desses projetos acontecerão no universo Star Wars, e outras dez terão os personagens da Marvel, como ‘Falcão e o Soldado Invernal’, que estreia no próximo dia 19 – que devem surfar no sucesso de ‘WandaVision’.