EnglishPortugueseSpanish

Uma nova arma em desenvolvimento pela Rússia parece algo saído dos planos de um vilão dos quadrinhos: um torpedo nuclear capaz de criar “tsunamis radioativos” em regiões costeiras, aliando a destruição instantânea de ondas gigantes com os danos a longo prazo causados pela radiação.

Batizado de Poseidon 2M39, o torpedo foi originalmente considerado um “tigre de papel”, ou seja, uma arma que soa assustadora, mas é impraticável ou inexistente, criada apenas para fortalecer a posição de um dos lados em uma negociação.

publicidade

Leia mais:

Mas segundo a CNN, a Rússia vem reforçando suas bases no Ártico, atualizando instalações, adicionando equipamento e aproveitando o isolamento da região para testar novas armas, como o Poseidon e o míssil de cruzeiro hipersônico Tsirkon.

O líder da agência norueguesa de inteligência, Vice-Almirante Nils Andreas Stensønes, disse à CNN que sua equipe determinou que o Poseidon é real, e “parte de um novo tipo de armas nucleares de dissuasão, e está em fase de testes. É um sistema estratégico, está apontado para alvos… e tem uma influência muito além da região onde está sendo atualmente testado”. 

O Poseidon está sendo criado para ser lançado de submarinos e causar o maior dano possível a alvos costeiros. Imagem: Gala_Kan / Shutterstock

Em novembro passado Christopher A. Ford, então secretário de estado assistente para segurança internacional e não proliferação nuclear, afirmou que o Poseidon foi projetado para “inundar as cidades costeiras dos EUA com tsunamis radioativos”.

Segundo Katarzyna Zysk, professora de relações internacionais do Instituto Norueguês de Estudos de Defesa, o Poseidone está se tornando “bastante real”, considerando o nível de infraestrutura em desenvolvimento e testes de submarinos capazes de carregar o torpedo.

“Absolutamente é um projeto que será usado para assustar, como um trunfo em uma negociação futura, talvez em discussões sobre o controle de armamentos”, disse Zysk. “Mas para isso, tem que ter credibilidade. E isso parece ser real”.

Fonte: Futurism