O Facebook intensificou sua campanha contra as atualizações de privacidade do iOS 14.5, da Apple e enviou um aviso aos usuários do seu aplicativo e também do Instagram no iPhone. A mensagem dizia aos clientes que as informações coletadas serviam para “ajudar a manter o Facebook gratuito”. 

Os avisos apareceram como um pop-up no último sábado (1) e foram descritos pelo Facebook como “telas educativas”. Em nota enviada ao portal americano The Verge, um porta-voz da empresa disse que eles mostram mais informações sobre como os dados sobre anúncios personalizados eram usados para melhorar a experiência dos usuários.

publicidade
Mensagem enviada aos usuários alertava que os anúncios ajudam o Facebook a se manter gratuito. Crédito: Reprodução/Facebook

“Esta versão do iOS exige que solicitemos permissão para rastrear alguns dados deste dispositivo para melhorar seus anúncios. Saiba como limitamos o uso dessas informações se você não ativar esta configuração do dispositivo”, dizia o aviso. 

“Usamos as informações sobre sua atividade recebida de outros aplicativos e sites para: mostrar anúncios mais personalizados, ajudar a manter o Facebook gratuito e apoiar empresas que dependem de anúncios para alcançar seus clientes”. 

O que mudou?

Com as mudanças no iOS 14.5, os desenvolvedores de aplicativos precisam de consentimento expresso dos proprietários dos dispositivos para utilizar o Identificador para Anunciantes, um número único que é compartilhado e coletado entre os aplicativos. 

Os desenvolvedores ainda poderão usar outras informações fornecidas pelo usuário para direcionar anúncios, mesmo que os usuários não tenham permitido o rastreamento pelos aplicativos. Porém, essas informações não poderão ser compartilhadas para o rastreamento de propaganda.

Leia mais: 

Segundo a Apple, caso os desenvolvedores tentem contornar essa medida ou tentem trocar o Identificador para Anunciantes por um outro mecanismo do tipo, como um endereço de e-mail, por exemplo, isso será apontado como uma violação do requisito de aprovação da App Store. Essas regras se aplicam até mesmo aos aplicativos desenvolvidos pela própria Apple. 

Críticas do Facebook

Mark Zuckerberg aponta a Apple como uma de suas principais concorrentes. Crédito: Shutterstock

Do lado do Facebook, as atualizações da Apple têm sido bastante criticadas, com o argumento de que as mudanças podem ser prejudiciais às pequenas empresas que, segundo eles, usam seu ecossistema para alcançar seus clientes. 

O Facebook também defende que a Apple estaria encorajando modelos de negócios que são focados em assinatura em detrimento dos que utilizam a venda de anúncios para se financiar. Segundo ele, isso teria o potencial de aumentar os lucros da Apple, que poderia receber uma parte do valor pago nessas assinaturas. 

E não é de hoje que a Apple é classificada como uma concorrente direta do Facebook: em uma reunião em janeiro, Mark Zuckerberg declarou que “a Apple tem todos os incentivos para usar sua posição dominante na plataforma para interferir na forma como nossos aplicativos e outros aplicativos funcionam, o que eles fazem regularmente para dar preferência aos seus próprios”. 

O fundador do Facebook também acredita que as ações tomadas pela Apple têm o potencial de impactar “o crescimento de milhões de empresas em todo o mundo, inclusive com as próximas mudanças do iOS 14.5”. 

Com informações do The Verge 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!