Após a queda de 8% registrada nesta sexta-feira (28), o preço do bitcoin atingiu o pior desempenho em quase dez anos, acumulando uma redução de cerca de 36% ao longo de maio. Um resultado tão ruim como esse só havia sido registrado em setembro de 2011.

A situação é consequência das más notícias que impactaram o mercado desde que o valor da criptomoeda atingiu US$ 64 mil em abril, um recorde histórico

publicidade

Declarações bombásticas

A crise do bitcoin começou no final de abril, quando o CEO da Tesla, Elon Musk, disse que não aceitaria mais a criptomoeda como forma de pagamento dos veículos elétricos produzidos por sua empresa. A declaração caiu como uma bomba no mercado, causando um efeito dominó que até agora não parou de crescer de forma negativa. 

Musk alegou que a decisão é por conta dos impactos negativos que a mineração do bitcoin causa ao meio ambiente pelo fato de consumir muita energia elétrica.  

Somado a isso, a China também intensificou a repressão à criptomoeda e proibiu o uso e comercialização de bitcoins, causando uma verdadeira debandada de empresas do setor do país. Além disso, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos também divulgou nos últimos dias um plano para taxar o bitcoin ao anunciar a possibilidade de criar uma moeda digital

Leia mais:

Efeito cascata 

A recente queda no bitcoin já afeta outras criptomoedas, como binance, XRP e polkadot, que também verificaram quedas vertiginosas ao longo deste mês. Por enquanto, somente o preço do ethereum vem se mantendo estável, com uma queda de apenas 6%. 

O preço do bitcoin atingiu o pior desempenho em quase dez anos, acumulando uma redução de cerca de 36%. Imagem:  rzoze19 / Shutterstock

Conhecido por sua volatilidade, o bitcoin já teve várias reviravoltas ao longo deste ano, inclusive com uma alta de 25%, ou seja, o colapso de maio pode ser superado rapidamente. Afinal, no acumulado do ano, a criptomoeda já teve uma valorização de 90,25%.

Via: CNN