Foi em uma casa de George Lucas em Los Angeles onde o criador de Star Wars requisitou a presença de Steven Spielberg e do roteirista Lawrence Kasdan para se discutir e debater, por meio de um brainstorming, a criação do filme “Os Caçadores da Arca Perdida”, que legou o lendário personagem Indiana Jones para o mundo.

O clássico dos filmes de aventura da Paramount completou 40 anos nesse mês de junho. A franquia já chegou à marca de quatro filmes, e ‘Indiana Jones 5‘ já teve suas gravações iniciadas no Reino Unido.

publicidade

Leia também:

Para celebrar o aniversário de “Os Caçadores da Arca Perdida”, o primeiro filme da franquia, selecionamos 4 curiosidades que marcaram os bastidores da obra.

1. Grande parte dos cenários do filme foi pintada

O compromisso de Steven Spielberg com efeitos especiais práticos estão mais do que nunca assinalados na produção de “Os Caçadores da Arca Perdida.”

A caverna nepalesa trancafiada pela neve, a cena da partida do avião aquático, os penhascos de Cairo, assim como várias outras cenas e locações, foram artificialmente desenvolvidas por construções idealizadas pelos artesãos de Hollywood ou pintadas por artistas como Michael Pangrazio.

Pangrazio, por sinal, passou 3 meses pintando a cena do vasto depósito de caixas onde a arca da aliança é guardada no momento derradeiro do filme.

Já na lendária cena em que Harrisson Ford é perseguido por um pedregulho, Spielberg requisitou um vidro de fibra com 3 metros e meio de altura e uma pedra de gesso em uma trilha de 36 metros de altura para viabilizar o grande momento.

Outra curiosidade é que o objeto tinha que ser substituído a cada corte e ainda quase machucou Ford em um dos takes. “Ele teve sorte”, disse Spielberg.

2. O calor africano atrapalhou as filmagens no deserto

É possível ver um membro da equipe de gravação na cena na cena em que Ford e Karen Allen fogem pelo poço das almas. Foto: Paramount Pictures.

As cenas gravadas na Tunísia foram um tormento para grande parte da equipe. Além das altas temperaturas constantes do deserto africano, todos os membros da filmagem, menos Spielberg, tiveram problemas de saúde em virtude de comida estragada.

A fotógrafa Nancy Moran escreveu em artigo para o Washington Post sobre o tempo em vivido no set nesse período. Ela escreve que Spielberg reclamava o tempo inteiro das condições enfrentadas e que dizia querer voltar para casa.

No fim das contas, o sofrimento da equipe gerou uma série de erros de produção durante as filmagens no poço das almas: tijolos, pedras, um caminhão e até mesmo um rapaz aparentemente inconsciente de camisa azul aparecem indevidamente em algumas cenas em virtude da desatenção provocada pelo desconforto de todos os integrantes.

3. Ford improvisou no duelo de espadas

Na hora de gravar a cena de uma épica luta de espadas contra um árabe de capuz preto, Ford estava abatido por problemas de saúda. Em consequência disso, o ator propôs gravar a cena em apenas uma hora.

No que Spielberg respondeu: “Sim, se você atirar nele.” Ford levou a sério a brincadeira feito pelo diretor e fez exatamente isso: em poucos segundos de filmagem, Indy leva o seu rival ao chão com um tiro de pistola.

A cena, sem uma simples diálogo que seja, é lembrada como um dos momentos mais hilários da obra.

4. O inseto na boca de Paul Freeman foi improvisado?

Fonte: Paramount Pictures

Uma das cenas mais curiosas em ‘Os Caçadores da Arca Perdida” é quando subitamente uma mosca aparece nos lábios de Paul Freeman, que interpreta o vilão francês Belloq, arquirrival de Indy.

O ator simplesmente permite que a mosca entre dentro da sua boca e engole. Apesar de Freeman constantemente afirmar que a entrada do inseto entre seus lábios foi uma falha de edição, Spielberg discorda: “Aquela mosca entrou na boca de Paul e ele estava tão absorto na cena que engoliu o inseto e nem percebeu”.

Via: New York Times

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!