Sempre foi considerada uma tarefa difícil (para não dizer, polêmica) continuar ou mesmo fazer um remake de ‘O Jogo do Século’. Lançado em 1996, o filme é lembrado com carinho por várias pessoas, principalmente os millennials, por diversos motivos: Michael Jordan, ‘I Believe I Can Fly’, Bill Murray aparecendo de surpresa e, claro, os Looney Tunes – que foram os responsáveis por trazer os mais incríveis desenhos animados de, ao menos, duas gerações. Desde que foi anunciado em 2014, o desafio da Warner Bros. Pictures com ‘Space Jam: Um Novo Legado‘ era, no mínimo, duplo: adaptar uma história de 25 anos atrás de forma moderna e com um astro atual do basquete (e esperar que desse certo), além de reapresentar Pernalonga, Patolino, Lola Bunny e outros à Geração Z e Alfa.

No entanto, por que dificultar algo tão simples e extraordinário como ‘Space Jam’? Tal qual expõe os amados personagens em ambos os longas, a lição (que ainda permanece atual) é deixar algumas vezes a seriedade de lado e aproveitar o momento, seja em uma partida de basquete que vale a sua própria liberdade ou até mesmo sendo sugado para dentro do universo de produções dos estúdios Warner Bros. por um vilanesco Don Cheadle. Antes que me esqueça: não adianta apelar para a nostalgia e querer fazer comparações desnecessárias com a obra cinematográfica de quase três décadas atrás, pois Lebron James e cia. tem apenas uma função no novo filme: fazer com que o público se divirta.

publicidade
Pernalonga e Lebron James fazem excelente dupla em ‘Space Jam: Um Novo Legado’. Imagem: Warner Bros./Divulgação

E acredite: não há ninguém que se diverte mais durante os 115 minutos de ‘Um Novo Legado’ que “King” James. O astro das quadras está, simplesmente, impecável em frente às câmeras, atuando de forma até melhor que muitos atores em cenas que pedem emoção ou nervosismo, por exemplo. É notável também ver um sorriso “meio bobo” do ala dos Los Angeles Lakers em vários momento por estar cercado (claro, de uma grande tela verde de chroma key, mas também) de Looney Tunes, diferente da postura meio séria e ranzinza da lenda Michael Jordan em ‘Space Jam: O Jogo do Século.

Outra pessoa que não teve medo de se divertir foi Don Cheadle com “Al-Geritimo”, uma inteligência artificial trapaceira e invejosa responsável por aprisionar Lebron e o filho mais velho jogador, Dom (papel de estreia do jovem Cedric Joe), em um espaço digital. O ator de 56 anos abraça o lado caricato e traz um tipo de personagem que talvez nunca tenha feito ao longo de sua carreira até então, piadista e cheio de trejeitos. A motivação para todo o caos causado pelo vilão, no entanto, é rasa e bem “mamão com açúcar” – o que, de nenhum jeito, interfere na atuação do eterno “James Rhodes”, do Universo Cinematográfico Marvel (MCU).

Crítica: 'Space Jam: Um Novo Legado' é homenagem aos Looney Tunes, LeBron James e à própria Warner
Lebron e Dom são capturados por “Al-Geritimo” em “Space Jam 2”. Imagem: Warner Bros./Divulgação

Fora isso, o roteiro escrito a seis mãos (Juel Taylor, Tony Rettenmaier, Keenan Coogler, Terence Nance, Jesse Gordon e Celeste Ballard… ufa!) é coeso e firme para não se perder no emaranhado de easter eggs ao universo dos Looney Tunes, da liga de basquete estadunidense (NBA), ao próprio Lebron James e, acima de tudo, à praticamente tudo já feito pela Warner Bros (acredite). Seja uma homenagem feita “do estúdio ao estúdio” ou apenas marketing próprio, ‘Space Jam: Um Novo Legado’ traz várias referências de diversas produções, quase impossível de serem listadas em 100%. A ‘Liga da Justiça’? Está lá. ‘Rick & Morty‘? Também. Que tal colocar ‘Matrix’, ‘Game of Thrones’ e ‘Harry Potter’ em um longa com o Pernalonga? Sem problemas. Isso sem contar as animações, como ‘Os Flintstones’ e ‘Os Jetsons’.

Mesmo cheio de elementos para colocar em uma produção, o trabalho de Malcolm D. Lee (‘Viagem das Garotas’, ‘O Bom Filho à Casa Torna’) dá conta do recado e mantém o foco onde é para ser mantido, bebendo o suficiente da fonte do primeiro longa para criar algo atual no “Space Jam 2” – que, por mais que seja de fato uma continuação, não é tão direta quanto alguns fãs possam imaginar. O diretor consegue demonstrar isso dando espaço tanto a um belíssimo e bem trabalhado 2D (as cenas mais engraçadas do filme são completamente animadas, vale ressaltar) quanto ao estupendo cenário gráfico em 3D para abrilhantar os olhos do espectador, porém sem interferirem um ao outro – algo que foge do estilo utilizado em ‘Uma Cilada Para Roger Rabbit’, ‘Looney Tunes: De Volta à Ação’ e o ‘Space Jam’ original.

Crítica: 'Space Jam: Um Novo Legado' é homenagem aos Looney Tunes, LeBron James e à própria Warner
Algumas das cenas mais engraças de ‘Space Jam: Um Novo Legado’ são completamente em 2D. Imagem: Warner Bros./Divulgação

E quanto ao basquete? Bem, ao melhor estilo cartunesco possível, mas de forma bem mais atual. Ao invés do clássico jogo das quadras, a partida final entre o time de Lebron, Pernalonga e Patolino – que opta por não ser jogador, mas sim técnico – contra o Esquadrão Valentão acontece em um jogo de videogame repleto de pontos bônus, habilidades especiais e etc. Talvez os mais puristas achem “uma viagem muito louca”, todavia o aspecto cai bem e traz uma forma de modernizar os personagens de Looney Tunes, não somente nos moldes 3D, mas sim em um contexto mais geral. Boa sacada da Warner Bros, por sinal, que mirou na premissa nostálgica de ‘O Jogo do Século’ mesclada em um ambiente digital de games e desenvolvedores, com direito até à alusões à E3 a ao Game Boy, da Nintendo.

A fusão entre o atual e o moderno também é bem feita graças à equipe de produção que acompanhou Lee, incluindo o diretor de fotografia Salvatore Totino (‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’) e o produtor de animação Troy Nethercott (‘O Parque dos Sonhos’) como os principais nomes por amarrarem os efeitos visuais belíssimos e alucinógenos em uma partida de basquete virtual que, acredite, ainda se assemelha muito com um jogo de NBA. Aliás, com jogadores reais…

Na dublagem original em inglês, vários ícones conhecidos da NBA dublam e servem como molde aos jogadores do Esquadrão Valentão, como Klay Thompson, Anthony Davis, Damian Lillard, Diana Taurasi e Nneka Ogwumike – algo que Lebron aproveita até para fazer algumas piadas mais intrínsecas ao contexto da liga na vida real. Ainda sobre dublagem, as vozes em português são atrações a parte e fazem o público ficar ainda mais satisfeito com o filme (sério, não há como não sorrir no primeiro “O que é que há, velhinho?” falado por Alexandre Moreno, voz oficial do Pernalonga desde os anos 2000).

E quanto ao protagonista de ‘O Jogo do Século’, considerado o maior jogador de basquete em toda a história, Michael Jordan? Ele ressurge em “Space Jam 2”? Não trarei spoilers, claro, mas saiba que a lenda da NBA, assim como o primeiro filme, é referenciado e citado ao longo de todo o ‘Um Novo Legado’. Quanto à aparição, vamos dizer que tanto Lee quanto a equipe de produção respeitaram o protagonismo de Lebron James, mas não deixaram de homenagear “His Airness“… ao menos, da forma Looney Tunes.

Crítica: 'Space Jam: Um Novo Legado' é homenagem aos Looney Tunes, LeBron James e à própria Warner
Dublagem nacional de “Space Jam 2” abrilhanta ainda mais a produção. Imagem: Warner Bros./Divulgação

Faça um favor a você mesmo e vá assistir ‘Space Jam: Um Novo Legado’

Há uma sensação muito real durante todo o filme de que ‘Space Jam: Um Novo Legado’ é uma carta de amor aos filmes da Warner Bros, às pessoas que os fazem e, claro, aos icônicos personagens dos Looney Tunes. Repleto de easter eggs, piadas clássicas e um toque de nostalgia, os fãs do longa original com certeza se divertirão, enquanto novos públicos ficarão maravilhados com o espetáculo moderno apresentado e sua cadência em direções maiores, ousadas e caóticas – no sentido bom, claro.

E, por favor: evite fazer comparações desnecessárias e sem fundamentos. ‘O Jogo do Século’ estará sempre disponível aos fãs por ser lembrado com muito carinho, assim como ‘Um Novo Legado’, que também merece seu respectivo espaço – afinal, tanto Jordan quanto Lebron são os “reis” do basquete em suas respectivas gerações, mas marcaram para sempre os seus nomes na história, certo?

Entretanto, caso ainda queira insistir em analogias, ao menos abra o coração para um enredo veloz e coeso, uma história entre pai e filho com dinâmica decente, Lebron e Cheadle claramente se divertindo muito e um segundo filme que, com certeza, se mantém no mesmo nível que o primeiro.

Crítica: 'Space Jam: Um Novo Legado' é homenagem aos Looney Tunes, LeBron James e à própria Warner
‘Space Jam: Um Novo Legado’ é homenagem digna aos Looney Tunes e à própria Warner. Imagem: Warner Bros./Divulgação

Ah, uma dica: como o ‘Space Jam’ original, o segundo filme também conta com uma trilha sonora impecável composta por nomes de peso da indústria, como John Legend, Lil Wayne, Jonas Brothers, Anthony Ramos, Chance The Rapper, SZA e mais! Confira sua plataforma de streaming favorita e bote o som para tocar antes do grande jogo…

Ficou ansioso para assistir ao filme? ‘Space Jam: Um Novo Legado’ chega aos cinemas brasileiros a partir desta quinta-feira, 15 de julho. Saiba mais detalhes com a sinopse oficial e o trailer logo abaixo:

“Quando LeBron James e seu filho Dom (Cedric Joe) são aprisionados em um espaço digital por uma I.A. trapaceira (Don Cheadle), “King” James precisa trazê-los de volta para casa se aliando ao Pernalonga, Lola Bunny e uma equipe indisciplinada de Looney Tunes. Juntos, precisam da vitória em quadra contra os campeões digitais da I.A.: um elenco de peso formado por astros e estrelas do basquetebol como você nunca viu. Será Tunes contra Valentões no desafio mais arriscado da vida de LeBron”.

Leia mais:

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!