O Instituto Butantan deve pedir a autorização de uso definitivo da vacina CoronaVac contra a Covid-19 até dezembro deste ano. Atualmente, a autorização para o imunizante desenvolvido pela chinesa SinoVac é apenas para uso emergencial, que foi aprovado em janeiro deste ano.

Além do uso definitivo da CoronaVac, o Butantan também deve pedir à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a autorização para uso do imunizante em crianças e adolescentes com idades entre 3 e 17 anos. Para isso, o laboratório espera por novos documentos, que virão da China.

publicidade

As novas datas foram definidas pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, que se reuniu na tarde da última quarta-feira (10) com o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz. Os dois conversaram sobre prazos e alinharam expectativas sobre compras de imunizantes para este ano.

Sem novas compras

Fachada Ministério da Saúde
Ministério da Saúde não deve fazer novas compras de imunizantes em 2021 ou 2022. Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Segundo Cruz, mesmo que a Anvisa aprove o registro definitivo para uso da CoronaVac, o Ministério da Saúde não deve fazer novas compras em 2021. Segundo ele, a decisão não se refere apenas à CoronaVac, mas a qualquer um dos imunizantes usados no Brasil.

O secretário ressaltou que o Brasil deve encerrar o ano com uma sobra de 130 milhões de doses de vacinas. Além disso, a pasta já tem duas estratégias de compras, que devem garantir a vacinação para 2022, com uma dose para todos os maiores de 18 anos e duas para os maiores de 60 anos.

Leia mais:

Caso haja uma ampliação do número de faixas etárias elegíveis para vacinação, com a inclusão de crianças e adolescentes, o Ministério da Saúde também terá imunizantes para garantir as aplicações.

Qual é a estratégia?

A estratégia do Ministério é a compra de mais 100 milhões de doses da vacina da Pfizer e outras 120 milhões de doses do imunizante da AstraZeneca. Porém, caso haja ampliação do público vacinável, o Butantan pode ter uma nova frente para negociações.

Em breve, o Butantan deve fazer um novo pedido de uso da CoronaVac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos. Segundo Dimas Covas, estudos internacionais mostraram que o imunizante é o mais seguro do mundo para esse público.

De acordo com Rodrigo Cruz, Dimas Covas afirmou a ele que espera apenas alguns documentos vindos da China para fazer o novo pedido junto à Anvisa.

Via: CNN Brasil

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!