A agência espacial norte-americana (NASA) confirmou via comunicado que a Estação Espacial Internacional (ISS) já voltou ao normal após um teste antissatélite executado pela Rússia ter forçado todos os tripulantes a procurarem abrigo nas naves acopladas à estrutura.

O susto começou na última segunda-feira (15), quando um míssil disparado pelo governo russo explodiu um satélite soviético desativado há mais de 40 anos. A explosão gerou cerca de 1.500 destroços que acabaram se posicionando na rota de órbita da estação, gerando repetidos alertas de colisão que, felizmente, não ocorreram.

publicidade

Leia também

Foto mostra os astronautas da ISS, que voltou ao normal após teste anti satélite da Rússia
Da esquerda para a direita: Pyotr Dubrov da Roscosmos, Thomas Marshburn da NASA, Anton Shkaplerov da Roscosmos, Raja Chari, Mark Vande Hei e Kayla Barron, também da NASA; e Matthias Maurer da ESA (Imagem: ESa/Divulgação)

Como rege o padrão de segurança e conduta espacial, praticamente todas as áreas de habitação da ISS foram isoladas e seladas, e os ocupantes da estrutura – astronautas da NASA, da agência espacial europeia ESA e da própria agência espacial russa, a Roscosmos – assumiram posicionamento evasivo.

O procedimento é padronizado pelas agências em treinamentos para o caso de algum choque contra a estação forçar seus “inquilinos” a escaparem às pressas de volta à Terra. De acordo com o comunicado, a estação não precisou fazer nenhum tipo de manobra evasiva: 

“As escotilhas radiais que se estendem do centro da estação – incluindo os habitats Kibo, Columbus, o Módulo Permanente Multitarefas, o Módulo Expansível de Atividades e a Cabine Pressurizada Quest – foram reabertas”, diz trecho do comunicado divulgado em 17 de novembro.

“Logo após o incidente, os membros da estação foram despertados, notificados dos potenciais destroços e solicitados a fecharem escotilhas específicas conforme procedimentos de segurança. Escotilhas entre os segmentos dos EUA e Rússia também foram inicialmente fechadas, mas já foram reabertas após a passagem do período de maior risco”.

O teste anti satélite gerou um atrito internacional entre Rússia e Estados Unidos: após a explosão causada pelo míssil, o porta-voz do Departamento de Estados norte-americano, Ned Price, leu um comunicado assinado por Bill Nelson, administrador geral da Nasa, onde ele afirmava que “este teste” aumentaria significativamente “o risco para astronautas e cosmonautas na ISS, bem como para outras atividades de voos espaciais humanos”. Nelson também julgou “inacreditável” que a Rússia “colocasse em risco não só os outros astronautas da ISS, mas também os seus próprios cosmonautas” – na ISS, dois dos ocupantes são russos.

No lado russo da discussão, o Ministro da Defesa, Sergei Shoigu, celebrou o sucesso do teste, afirmando em seguida que os fragmentos gerados “não ofereciam qualquer risco”. Como vimos nos dias que sucederam ao posicionamento russo, não foi bem assim: no dia 18, ainda temia-se o risco de colisão da estação com os destroços, com as autoridades cogitando cancelar a caminhada espacial planejada para o próximo dia 30. A julgar pela reabertura da estação, esse parece não ser mais o caso, mas as agências estão ativamente monitorando a situação.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!