Depois de uma disparada de preço ao longo do mês de outubro, período em que o bitcoin quebrou vários recordes, a criptomoeda mais popular do mercado acumula uma retração de 20% nas últimas duas semanas. 

O cenário incerto, segundo o Bloomberg, reforça que o ‘calcanhar de Aquiles’ do mercado cripto continua sendo a sua volatilidade. Ainda assim, apesar da queda expressiva, quem costuma investir no ativo já está acostumado com esse cenário. Os especialistas até sugerem que o reajuste é normal frente aos valores observados recentemente.

publicidade

Craig Erlam, analista de mercado sênior da corretora Oanda, é um dos que afirma que essa correção “não é um grande problema” se for considerado o quão longe o bitcoin chegou nos últimos meses.

Criptomoeda bitcoin caiu 20% em duas semanas desde os últimos recordes de valorização.
Bitcoin acumula retração de 20% nas últimas duas semanas, Imagem: kitti Suwanekkasit/Shutterstock

As oscilações de preço não são novidade no mundo das criptomoedas. Vale lembrar que o próprio bitcoin, após quebrar a máxima de US$ 65 mil em abril, chegou a despencar mais de 50% em junho antes de voltar a subir. 

No momento da publicação, a criptomoeda vale cerca de R$ 325 mil, segundo a CoinGecko. Após uma queda semanal de cerca de 7%, a plataforma revela que o bitcoin acumula um ganho positivo de 2,5% nas últimas 24 horas.

Leia mais:

Importação de criptomoedas movimentou mais de R$ 25 bi até setembro

Falando em bitcoins, segundo o Banco Central, o volume total de criptomoedas movimentado no Brasil no acumulado de janeiro a setembro soma US$ 4,6 bilhões, o equivalente a R$ 25,7 bilhões na cotação atual.

Em maio foi registrado a maior quantia até aqui em 2021: US$ 756 milhões.

Créditos da imagem principal: 1698/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!