Na madrugada desta quinta-feira (9), a SpaceX lançou com sucesso seu Falcon 9 B1061, transportando um satélite de raios-X da Nasa para o espaço. O foguete decolou às 3h (pelo horário de Brasília) do Complexo de Lançamento 39A (Pad 39A) no Centro Espacial Kennedy da Nasa na Flórida, carregando o Imaging X-ray Polarimetry Explorer (IXPE). 

“Decolagem do Falcon 9 e IXPE, um novo conjunto de olhos de raio-X para ver os mistérios de nossos céus”, disse o comentarista de lançamento da NASA TV Derrol Nail durante a transmissão ao vivo do evento.

publicidade

Com aproximadamente o tamanho de uma geladeira, o satélite IXPE é uma missão de US$214 milhões (R$1,184 bilhões) que tem por objetivo investigar a física por trás de alguns dos objetos mais dinâmicos do universo: buracos negros e estrelas de nêutrons.

IXPE investigará objetos cósmicos enigmáticos

Equipado com três telescópios idênticos, o IXPE estudará a polarização da luz (ou seja, como raio cósmico oscila em relação à direção da onda) de alguns dos objetos mais extremos e misteriosos do universo. 

Com o IXPE, os astrônomos serão capazes de refinar a estrutura e estudar os mecanismos que alimentam esses tipos de objetos cósmicos enigmáticos. “O que a polarização nos diz depende da fonte”, disse Martin Weisskopf, investigador principal do IXPE durante uma coletiva de imprensa pré-lançamento que aconteceu na terça-feira (7).

Imaging X-ray Polarimetry Explorer (IXPE) da Nasa na Ball Aerospace em Boulder, Colorado. Imagem: Ball Aerospace

O IXPE se juntará a outros satélites de observação de raios-X da Nasa, como o telescópio espacial Chandra, que orbita muito mais alto do que ele. Enquanto a missão do IXPE se concentra exclusivamente na polarimetria da luz, Chandra é responsável por fazer fotos de fontes de raios-X.

Como primeiro primeiro alvo de estudo, o novo satélite de raios-X da Nasa terá a Nebulosa do Caranguejo, um remanescente de supernova e uma nebulosa de vento de pulsar na constelação do Touro. Como o IXPE é projetado para olhar para alvos muito críticos, os restos de uma explosão estelar são perfeitos para o início da missão. 

Weisskopf explicou que dentro da Nebulosa do Caranguejo há um facho de luz pulsante semelhante a um farol, que é na verdade o cadáver da estrela que criou a nebulosa. A polarimetria da luz que emana desse pulsar já foi medida antes, mas não no nível de detalhe que o IXPE será capaz de alcançar.

Leia mais:

SpaceX bate recorde anual de lançamentos do Falcon 9

Esse voo marca o segundo lançamento de foguete do Cabo Canaveral nesta semana. Dois dias antes, um Atlas V decolou de uma plataforma de lançamento adjacente, levando para o espaço uma mistura de cargas úteis para a Força Espacial dos EUA.

Voando pela quinta vez, o Falcon 9 B1061 transportou oito astronautas ao espaço como parte das duas primeiras missões de longa duração da Nasa (Crew-1 e Crew-2), um total de três naves espaciais Dragon diferentes, incluindo uma missão de carga em agosto e um satélite de banda larga para a Sirius XM. 

O Falcon 9 B1061 carregando o satélite Imaging X-ray Polarimetry Explorer (IXPE) da Nasa, visto ao pôr do sol na plataforma de lançamento Pad 39A do Centro Espacial Kennedy da Nasa na Flórida. Image: Joel Kowsky/NASA

Esse foi o 131º voo geral de um Falcon 9 e o 28º de 2021. Isso supera o recorde anual de lançamentos da SpaceX – a empresa lançou 26 em 2020 – tendo ainda mais dois programados até o fim deste ano.

Além disso, a missão é o 98º lançamento organizado pelo Programa de Serviços de Lançamento (LSP) da Nasa, desde seu início em 1998, e o quinto lançamento LSP para a SpaceX. É também o primeiro lançamento LSP a decolar do histórico Pad 39A. “Estamos entusiasmados por desempenhar um papel muito pequeno nesta incrível missão científica”, disse Tim Dunn, diretor do LSP da Nasa. 

Após uma decolagem bem-sucedida, o primeiro estágio do foguete pousou em uma das três plataformas de pouso flutuantes da empresa. Chamado de “Basta ler as instruções”, o navio drone estava esperando no Oceano Atlântico para pegar o impulsionador e transportá-lo de volta ao porto.

De acordo com o site Space, o satélite IXPE é a menor carga útil já transportada por um foguete SpaceX Falcon 9. Houve uma troca de veículos de lançamento – ele foi originalmente programado para voar em um foguete Pegasus, da Orbital Sciences Corporation – o que permitiu à Nasa economizar alguns milhões de dólares.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!