Um astronauta que voou no primeiro ônibus espacial lançado com uma tripulação completa e dois tripulantes do último serão homenageados ainda este ano por suas contribuições para o programa espacial dos EUA. David Leestma, Sandy Magnus e Chris Ferguson farão parte do Hall da Fama dos Astronautas.

David Leestma, Sandy Magnus e Chris Ferguson, que voaram a bordo de ônibus espaciais, serão consagrados em uma cerimônia pública de 11 de junho de 2022, no Complexo de Visitantes do Centro Espacial Kennedy, como membros do Hall da Fama dos Astronautas. Imagem: NASA via collectSPACE.com

Seus nomes foram anunciados nesta terça-feira (15), e os três viajantes espaciais veteranos serão recebidos formalmente no salão durante uma cerimônia pública a ser realizada em 11 de junho. O evento contará com a exibição do ônibus espacial aposentado Atlantis — um modelo no qual todos os três voaram — no Complexo de Visitantes do Centro Espacial Kennedy, na Flórida.

publicidade

“Estamos satisfeitos por receber esses indivíduos no Hall da Fama dos Astronautas dos EUA”, disse Curt Brown, presidente do conselho da Fundação de Bolsas de Estudos para Astronautas, que supervisiona o processo de seleção. “Todos os três demonstraram as características que definem um membro do Hall da Fama: heroísmo, comprometimento e bravura”, completou Brown, que também é ex-astronauta do ônibus espacial e membro do Hall da Fama desde 2013.

Com a inclusão de Leestma, Sandy e Ferguson, o Hall da Fama dos Astronautas dos EUA passará a incluir 105 dos 360 homens e mulheres que a Nasa selecionou para treinar nos últimos 63 anos.

O astronauta David Leestma, atuando como especialista na missão STS-41G, a bordo do ônibus espacial Challenger, em 1984. Imagem: NASA

Oficial de voo da Marinha que se tornou astronauta em 1980, na segunda turma da Nasa, Leestma fez seu primeiro voo espacial na primeira missão com tripulação completa do ônibus espacial Challenger, em 1984.

Durante os oito dias da missão em órbita, ele ajudou a implantar um satélite projetado para medir a energia solar. Leestma também realizou a primeira caminhada espacial que contava com uma mulher norte-americana (Kathy Sullivan, que foi introduzida no Hall da Fama dos Astronautas em 2004), e juntos eles validaram uma técnica para reabastecer satélites em órbita.

Leestma foi lançado em seu segundo voo espacial em 1989 a bordo do veículo Columbia, servindo na quarta missão de transporte dedicada às atividades do Departamento de Defesa (DoD). Os detalhes da missão do STS-28 são secretos até hoje, mas o que se sabe é que Leestma agiu como um elo entre o DoD e a Nasa.

Leia mais:

A terceira e última missão de Leestma foi a bordo do ônibus espacial Atlantis como membro da tripulação do STS-45, onde demonstrou a capacidade de um astronauta não-piloto de comandar uma nave espacial e operar veículos em órbita, em 1992. No total ele registrou 22 dias, 4 horas e 32 minutos no espaço, incluindo três horas e meia em sua única caminhada espacial.

Após seu último retorno à Terra, Leestma atuou como vice-líder e líder interino do escritório de astronautas antes de se tornar diretor de operações de tripulação de voo, uma posição que lhe deu responsabilidade pelo corpo de astronautas e operações de aeronaves no Centro Espacial Johnson. 

Leestma ocupou vários outros cargos de gerência no Johnson antes de se aposentar da Nasa em 2014. Nos anos seguintes, ele participou do treinamento de transição da liderança executiva e foi o membro da equipe que desenvolveu o que mais tarde se tornou o programa Artemis.

Sandy Magnus e Chris Ferguson no ônibus espacial Atlantis durante a missão final do programa de ônibus espaciais da Nasa. Imagem: NASA

Sandy e Ferguson seguiram carreiras semelhantes na Nasa, incluindo o lançamento em duas de suas três missões.

Selecionados na 16ª e 17ª classe de astronautas da agência, em 1996 e 1998, respectivamente, Sandy e Ferguson fizeram seus primeiros voos espaciais em missões que entregaram peças para as treliças da Estação Espacial Internacional (ISS).

Sandy, uma engenheira que trabalhou anteriormente no design de aeronaves, decolou pela primeira vez como um especialista na missão STS-112 do ônibus espacial Atlantis, em outubro de 2002. Durante a missão de 11 dias, ela atuou como oficial de robótica, supervisionando a entrega e instalação do segmento de treliça Starboard 1 (S1), usando o braço robótico Canadarm2 da ISS.

Piloto de testes na Marinha dos EUA, Ferguson foi comandante em sua primeira missão em um ônibus espacial, voando com a tripulação do STS-115 do Atlantis, em setembro de 2006. Atrasados por três anos devido à perda do ônibus espacial Columbia e sua tripulação, Ferguson e seus companheiros de tripulação entregaram o segundo segmento de treliça do lado do porto (P3/P4) e duas matrizes solares para a estação espacial.

Eles então voaram juntos em sua segunda missão, a STS-126, a bordo do ônibus espacial Endeavour, em novembro de 2008. Ferguson serviu como comandante da missão, enquanto Sandy se transferiu do ônibus espacial para a Expedição 18 no laboratório orbital, onde ela viveu e trabalhou por mais de 130 dias. 

Ferguson, enquanto isso, supervisionou as atividades de sua tripulação reparando uma articulação crítica usada para girar as matrizes da estação antes de retornar à Terra. Sandy voltou para casa mais tarde com a tripulação da missão STS-119, da Discovery.

Ferguson e Sandy encerraram suas carreiras de astronautas da Nasa na histórica missão final do programa de ônibus espaciais. Ferguson como comandante e Sandy como especialista em missão se juntaram a seus outros dois tripulantes da STS-135 para uma última visita à ISS durante o voo de 13 dias com o ônibus espacial Atlantis, em julho de 2011.

Sandy passou um total de 157 dias, 8 horas e 43 minutos no espaço, enquanto o tempo total de Ferguson foi de 40 dias, 10 horas e 3 minutos.

Ferguson deixou a Nasa em dezembro de 2011 para liderar a tripulação de voo e operações de missão para a nave espacial CST-100 Starliner, da Boeing. Ele foi designado para liderar o teste de voo da tripulação do Starliner como o primeiro astronauta comercial da Boeing, mas se retirou da missão — agora programada para ser lançada já no final deste ano –  por razões pessoais.

Sandy se aposentou da agência em 2012 e foi nomeada diretora executiva do Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica (AIAA) por cinco anos. Depois, atuou como vice-diretora de engenharia do Escritório do Subsecretário de Defesa para Pesquisa e Engenharia do Departamento de Defesa. Agora, ela faz parte de vários conselhos consultivos técnicos e é professora no Instituto de Tecnologia da Geórgia.

Criado em 1990, o Hall da Fama dos Astronautas dos EUA foi proposto pelos seis membros até então sobreviventes da missão Mercury 7, e tornou-se parte da atração Heróis e Lendas no Complexo de Visitantes do Centro Espacial Kennedy, da Nasa, em 2016.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!